Crescimento dos aeroportos portugueses abranda para 4,2% no 3º trimestre

12-10-2018 (14h10)

A Vinci Airports, que ganhou a privatização da ANA Aeroportos de Portugal, gestora dos aeroportos portugueses, informou hoje que no terceiro trimestre os dez aeroportos que gere em Portugal tiveram um aumento de passageiros em 4,2%, depois de +6,9% no segundo trimestre, 12% no primeiro e 16,5% no ano de 2017.

A empresa, porém, realça é que os aeroportos portugueses sob sua gestão “registaram a melhor temporada de verão de sempre”, atingindo um total de 17,3 milhões de passageiros nesse período.

A informação acrescenta que no conjunto dos primeiros nove meses do ano os aeroportos portugueses somam 42,9 milhões de passageiros, com um crescimento em 7,0%.

“Com a popularidade do país como destino de Verão para turistas europeus (principalmente espanhóis, franceses e alemães) [embora os dados do INE revelem que os maiores emissores continuam a ser o Reino Unido e a Alemanha], as companhias aéreas de baixo custo tiveram uma muito boa temporada”, diz o comunicado da Vinci, que acrescenta que “a companhia aérea nacional TAP também apresentou um bom desempenho”.

A informação não especifica a evolução por aeroportos, dizendo apenas que “o Aeroporto de Lisboa movimentou mais 2 milhões de passageiros (+ 10,3%) desde o início do ano, em comparação com o mesmo período de 2017”.

Ao todo, incluindo os 44 aeroportos que gere no Japão (Kansai Airports), França, Chile (Nuevo Pudahuel), Cambodja (Cambodia Airports),República Dominicana (Aerodom), Brasil (Salvador da Bahia), Costa Rica, Reino Unido, Suécia e Estados Unidos, a empresa somou 51,28 milhões de passageiros no terceiro trimestre, com um aumento médio em 2,8%, ‘puxado para cima por Portugal e Franca (+8,5%, para 5,78 milhões) e penalizado pelo Japão (-7%,para 11,57 milhões), “afectado por eventos climáticos excepcionais).

De acordo com os dados publicados pela empresa, os seus aeroportos com aumentos passageiros mais fortes no terceiro trimestre foram os do Cambodja, com +16,4%, somando 2,44 milhões, Reino Unido, com +12,2%, totalizando 1,95 milhões, e Estados Unidos, com +8,8%, para 2,37 milhões.

 

Para ler mais clique:

Aeroportos portugueses somaram 5,92 milhões de passageiros em Agosto

Aeroportos de Faro e do Funchal tiveram quebra de passageiros até no mês de Agosto

 

Clique para mais notícias: Aeroportos portugueses

Clique para mais notícias: Vinci

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vueling vai ter voos Tenerife - Lisboa

15-02-2019 (16h56)

A Vueling, low cost do IAG, grupo de que fazem parte também a British Airways, a Iberia, a Aer Lingus e a Level, vai ter voos entre Tenerife e Lisboa a partir de Abril.

TAP transporta menos passageiros este Janeiro nas suas rotas espanholas

15-02-2019 (15h47)

A TAP, que em meados do ano passado retirou A Coruña, Astúrias e Vigo da sua rede de destinos em Espanha, começou 2019 com uma quebra de passageiros nas ligações com o país vizinho em 3,4% ou cerca de 4,7 mil, de acordo com dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, recolhidos pela AENA.

Passageiros em voos entre Espanha e Portugal aumentam 10,8% em Janeiro

15-02-2019 (15h33)

Os aeroportos espanhóis somaram este Janeiro 357,6 mil passageiros de voos de/para Portugal, +10,8% ou mais 34,9 mil que no primeiro mês de 2018, de acordo com dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, recolhidos pelo PressTUR.

Aeroportos espanhóis começam 2019 com aumento de um milhão de passageiros

15-02-2019 (15h08)

Os 49 aeroportos espanhóis somaram 16,58 milhões de passageiros no primeiro mês deste ano, com um aumento em 7% ou 1,08 milhões em relação a Janeiro de 2018, cerca de metade do qual em Madrid Barajas e em Barcelona El Prat, de acordo com a AENA, gestora dos aeroportos espanhóis.

Lucro da Finnair baixa 11% para 150,7 milhões de euros em 2018

15-02-2019 (14h37)

A Finnair, que voa de Helsínquia para Lisboa e tem programado voar também para o Porto, obteve um lucro líquido de 150,7 milhões de euros em 2018, menos 11% do que no ano anterior, apesar de um aumento da facturação.