Controlo de tráfego aéreo na Europa está a “atingir um ponto de colapso”, CEO da Ryanair

14-06-2018 (16h46)

Greves e falta de pessoal provocam milhares de cancelamentos e atrasos

O CEO da Ryanair, Michael O’Leary, reclamou hoje a intervenção dos governos e da Comissão Europeia no controlo de tráfego aéreo (ATC, do inglês) que, segundo afirma, está “a atingir um ponto de colapso, com centenas de voos cancelados diariamente simplesmente por falta de pessoal para geri-los”.

O alerta de Michael O’Leary, reproduzido em comunicado da companhia a apelar para a “acção urgente para prevenir o colapso do controlo de tráfego aéreo europeu”, é motivado pelo que o executivo descreve como mais um fim de semana de problemas por “uma nova greve de ATC em França que irá provocar o cancelamento de centenas de voos, prejudicando os planos de férias de milhares de passageiros”.

O’Leary enfatiza que “muitos destes voos” nem sobrevoarão França, “nem passam por solo francês, no entanto, serão perturbados já que os controladores aéreos franceses requerem que as companhias aéreas cancelem voos que sobrevoem o seu espaço aéreo, protegendo apenas as rotas domésticas”.

O’Leary reclama que os problemas também decorrem de “falta de pessoal de ATC, particularmente no Reino Unido e Alemanha” e apela aos governos britânico e alemão, bem como à Comissão Europeia, para que “tomem medidas urgentes e decisivas no sentido de garantir que os provedores de ATC têm as equipas completas e que os voos que sobrevoam os respectivos espaços aéreos não sejam afectados quando ocorrem greves nacionais, como tem ocorrido repetidamente na França”.

O CEO da Ryanair acusa mesmo os controladores britânicos e alemães de “disfarçarem” com condições “condições climáticas adversas e eufemismos como “restrições de capacidade” a realidade: não têm no horário profissionais de ATC suficientes para gerir o número de voos programados”.

“Os governos britânico e alemão, bem como a Comissão Europeia, têm que tomar medidas urgentes para evitar que milhares de voos e milhões de passageiros sejam perturbados, particularmente nos meses de pico de Verão (Julho e Agosto), algo que ocorrerá a menos que esta crise de ATC seja solucionada”, sublinha Michael O’Leary.

O comunicado da Ryanair começa por afirmar que em Maio “mais de 117.000 voos sofreram atrasos” e que a maioria (61% ou mais de 71 mil) se deveu “a greves e falta de pessoal de ATC”.

A low cost acrescenta que “mais de 56.000 voos sofreram atrasos de mais de 15 minutos, quatro vezes mais do que os 14000 voos com atraso superior a 15 minutos em Maio de 2017” e que “39 % dos atrasos (45000 voos) foram provocados por condições meteorológicas adversas, quatro vezes mais do que os 11.000 atrasos provocados por mau tempo em Maio de 2017”.

“Curiosamente — prossegue o comunicado —, a maioria destes atrasos provocados por condições meteorológicas adversas (quase 60%) ocorreram à sexta-feira ou ao Sábado, o que sugere que as entidades de ATC estão a utilizar as más condições meteorológicas para encobrir as suas faltas de pessoa”l.

A Ryanair diz no mesmo comunicado que “o objectivo da UE para atrasos em 2018 é em média de 0,5 minutos por voo”, mas que “a previsão actual para 2018 dirige-se de momento para os 1,5 minutos por voo, quase o triplo do objectivo estabelecido pela UE”.

A Ryanair refere ainda que em Maio cancelou cerca de mil voos, “quase todos devido a greves e falta de pessoal de ATC”, sublinhando que “este número foi 24 vezes superior aos 43 voos cancelados em Maio de 2017” e que a sua concorrente easyJet “cancelou 974 voos, comparando com os 117 em Maio de 2017” (para ler mais clique: Ryanair indica que teve 1.100 voos cancelados em Maio por greves de controladores e easyJet ‘desacelera’ em Maio com cancelamentos em forte alta).

O comunicado assinala ainda que Willie Walsh, CEO do IAG, comentou em Maio que “o maior impacto vem das greves e do ambiente vivido a nível de ATC, que está um caos”, acrescentando que “está a destruir o tráfego por toda a Europa”.

“Pensámos que iria melhorar em 2018 mas está cada vez pior”, comentou ainda Walsh.

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Europa

Clique para mais notícias: Ryanair

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CEO da TAP defende direito a sonhar com liderar tráfego entre a Europa e a América do Norte

20-06-2018 (17h57)

Embora tenha pela frente concorrentes como a British Airways, que ainda em 4 de Maio começou a voar de Londres-Heathrow para Nashville, sua 26ª cidade nos Estados Unidos, o CEO da TAP reivindicou hoje no Porto o direito a da companhia a “sonhar grande em relação a ser a principal companhia aérea que liga a Europa à América do Norte”.

CEO da TAP garante aposta no Porto e ironiza: “a concorrência que se cuide”

20-06-2018 (17h51)

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro "é historicamente um dos alicerces da TAP", que tem um "compromisso total e absoluto" com o Porto, garantiu hoje o CEO da companhia, Antonoaldo Neves, que rematou com um: "Queremos ter uma posição dominante no Porto, e a concorrência que se cuide".

Antonoaldo Neves reconhece pontualidade como “problema gravíssimo” da TAP

20-06-2018 (17h48)

"Temos um problema gravíssimo de pontualidade na ponte aérea e na TAP em geral", reconheceu hoje o CEO da companhia, Antonoaldo Neves, na sessão de balanço da operação da companhia aérea no Porto admitiu, que assegurou tratar-se de um "desafio" a superar nos próximos tempos.

Exportações portuguesas de transporte aéreo de passageiros voltam a crescer acima de 20% em Abril

20-06-2018 (16h28)

As empresas portuguesas de transporte aéreo de passageiros, as maiores das quais a TAP, a Azores Airlines, a euroAtlantic e a Hi Fly, aumentaram em Abril as vendas ao estrangeiro em 23,2%, alcançando assim um aumento médio em 15,3% no quadrimestre.

CEO da TAP diz que auditoria do TdC é "assunto de accionista" mas afirma-se "confiante" no futuro

20-06-2018 (14h56)

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, escusou-se hoje a comentar a auditoria do Tribunal de Contas (TdC) que aponta uma acrescida "exposição" do Estado português a "contingências adversas" da companhia, mas dizendo estar "confiante" num bom desempenho financeiro da empresa.