Companhias do grupo Lufthansa tiveram mais 1,5 mil milhões de receita por crescimento do tráfego

25-10-2017 (15h28)

Imagem: Lufthansa
Imagem: Lufthansa

O crescimento do tráfego, em 14,6% em RPK e em 17,5% em número de passageiros, o que indicia desde logo um peso maior das linhas de curto e médio cursos, que regra geral têm yields mais altos, proporcionou ao grupo Lufthansa um aumento das receitas de tráfego em 1.527 milhões de euros, de acordo com o balanço publicado hoje.

A informação mostra que depois do aumento do ‘volume’ de tráfego, o maior contributo veio da integração da Brussels a partir de inícios de Janeiro deste ano, com mil milhões, seguindo-se, então, 272 milhões pelo ‘preço’ que reflecte uma evolução mais favorável da receita unitária, que anteriormente estava a ser o ‘calcanhar de Aquiles’ das companhias aéreas.

Ora, o balanço do grupo Lufthansa, que com o desenvolvimento da Eurowings e a integração da Brussels ascendeu à liderança dos grupos europeus da aviação comercial, mostra que embora o yield (preço médio que cada passageiros pagou para voar um quilómetro) no conjunto dos primeiros nove meses do ano ainda esteja em queda, com uma descida de 0,6%, no terceiro trimestre já subiram 1%.

E quando se desconta o efeito das flutuações cambiais, o yield no terceiro trimestre sobe 3,1% e nos nove meses tem uma estagnação em baixa (-01%).

Em 2016, nos nove meses de Janeiro a Setembro o yield estava em queda de 4,7% com queda de 5% no trimestre do Verão e mesmo descontando efeitos cambiais, nos nove meses caía 3,8% com -4,8% no terceiro trimestre.

Acresce que além de uma evolução favorável do yield o grupo Lufthansa declarou subidas da taxa média de ocupação dos voos, de um ponto no terceiro trimestre e de 2,1 pontos nos nove meses, o que levou a que apresentasse subidas da receitas unitária (por lugar voado um quilómetro), de 1,5% nos nove meses com +2,5% no terceiro trimestre, elevando-se, a câmbios constantes, para 4,5% no terceiro trimestre e 2% nos nove meses.

Há um ano, o grupo estava com quedas significativas da receita unitária, de 6,7% nos nove meses e de 6,9% no terceiro trimestre e, mesmo descontando efeitos cambiais, tinha quedas de 5,8% nos nove meses e de 6,7% no terceiro trimestre.

Esta alteração de ‘cenário’, a par do crescimento do tráfego, é o que explica o aumento dos proveitos de tráfego em 1,5 mil milhões de euros, ainda que a nível de preços o grupo ainda enfrente ‘desafios’, pois regista quedas em sectores de rede importantes, desde logo na Europa, em 0,6% no terceiro trimestre e em 3,3% no conjunto dos primeiros nove meses, embora sem flutuações cambiais a queda nos nove meses seja de apenas 2,7% e no terceiro trimestre até tenha uma subida em 1%.

O cenário mais grave é, assim, no mercado do Médio Oriente e África, onde o yield cai 7% no terceiro trimestre e 7,8% nos nove meses, com quebras a câmbios constantes de 5,6% e 7,7%, respectivamente.

O sector Américas onde há um ano tinha quedas acentuadas, de 8,6% nos nove meses a câmbios constantes e de 10% nos nove meses, este ano está com aumentos de 0,7% nos nove meses e 2,3% no terceiro trimestre.

Porém, com o yield das linhas da América do Sul a continuar em baixa (-2,4% nos nove meses e -4,7% no terceiro trimestre), ainda que significativamente menor que há um ano (-21% nos nove meses e -15,3% no terceiro trimestre), valendo o yield das linha da América do Norte, onde o grupo, a câmbios constantes, em 2016  tinha quedas de 5,3% nos nove meses e de 8,7% no terceiro trimestre e este ano tem aumentos nos dois períodos, em 1,4% nos nove meses e em 3,9% no terceiro trimestre.

 

Para ler mais clique:

Benefício com pensões em 2016 ‘ensombra’ resultados do grupo Lufthansa este ano

 

Clique para mais notícias: Lufthansa

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Governo açoriano reforça capital social da SATA Air Açores em 27 milhões de euros

16-07-2018 (16h31)

O Governo dos Açores anunciou hoje um reforço em 27 milhões de euros do capital social da SATA Air Açores, companhia aérea que assegura as ligações aéreas entre as nove ilhas açorianas, "por via da subscrição de 5.400.000 novas ações".

Lufthansa “refuta falsas alegações da Ryanair” sobre a LaudaMotion

16-07-2018 (15h28)

O Grupo Lufthansa afirmou que “são completamente infundadas” as alegações da Ryanair de que a LaudaMotion está sobre ameaça do grupo alemão, “que tenta retirar as nove aeronaves que se viu forçada a ceder à Laudamotion pela Comissão Europeia para lhe permitir reiniciar os seus serviços”.

Grupo SATA encerra contas de 2017 com prejuízos de 41 milhões de euros

16-07-2018 (13h32)

O Grupo SATA encerrou as contas de 2017 com prejuízos de 41 milhões de euros, valor que quase triplicou em relação a 2016 (14 milhões), revela o relatório e contas da companhia, a que a Lusa teve acesso.

António Teixeira é o novo presidente do conselho de administração da SATA

16-07-2018 (11h28)

O Governo dos Açores anunciou a escolha do gestor de empresas António Luís Gusmão Teixeira para a presidência do conselho de administração da SATA, substituindo Paulo Menezes, que ocupa o cargo desde o final de 2015.

TACV Cabo Verde Airlines prevê receber hoje mais um avião

16-07-2018 (11h19)

A companhia aérea TACV Cabo Verde Airlines, que no Sábado recebeu o seu primeiro avião Boeing 757, tem previsto receber hoje, segunda-feira, mais uma aeronave e assim “retomar a estabilidade operacional”.