Cinco origens/destinos tiveram no 1º Semestre aumentos acima de 100 mil passageiros em Lisboa

20-07-2015 (22h37)

As ligações com outras cidades portuguesas e os voos de/para França, Reino Unido, Alemanha e Itália foram os principais motores do crescimento do Aeroporto de Lisboa no primeiro semestre, todos com aumentos acima dos cem mil passageiros, alcançando em conjunto mais 745,4 mil, o que equivale a 70,2% do aumento global do período.




As rotas domésticas foram as que tiveram o maior aumento de passageiros, com mais 172,9 mil (+18,5%, para 1,1 milhões), seguindo-se os voos de/para a Alemanha, com mais 142,1 mil (+21,8%, para 871,6 mil), França, com mais 142,1 mil (+13,1%, para 1,22 milhões), Reino Unido, com mais 138,8 mil (+17,5%, para 929,7 mil), e Itália, com mais 135,7 mil (+30,7%, para 577,9 mil).
Assim, França manteve-se a primeira origem/destino de passageiros do Aeroporto de Lisboa, com 13,2% do total do primeiro semestre, à frente dos voos domésticos, com 12%, e, depois, Espanha, com 10,4%, tendo um total de 960 mil passageiros, +9,3% ou mais 81,5 mil que há um ano.
O Top5 completa-se com o Reino Unido, com 10% do total de passageiros do primeiro semestre, e Alemanha, com 9,4%.
Estas cinco origens/destinos concentraram 55% do total de passageiros do Aeroporto de Lisboa no primeiro semestre, com 5,096 milhões, +15,7% ou mais 691,2 mil que no período homólogo de 2014.
As seguintes cinco maiores origens/destinos foram Itália, com 6,2% do total do semestre, Suíça, com 4,8%, Holanda, com 4,2%, Bélgica, com 3,6%, e Irlanda, com 1,1%.
O crescimento mais modesto neste grupo foi dos voos de/para a Suíça, em 3% ou 13 mil, para 440,2 mil, e o mais forte foi das rotas da Irlanda, em 33% ou 25,9 mil, para 104,6 mil.
O maior foi dos voos de/para Itália, com mais 135,7 mil (+30,7%, para 577,9 mil), e seguiram-se as ligações com a Holanda, com mais 46,6 mil (+13,6%, para 390,6 mil), e com a Bélgica, com mais 44,4 mil (+15,3%, para 224,2 mil).
Os dados do Aeroporto de Lisboa mostram que a grande maioria dos voos de/para países europeus tiveram crescimento do número de passageiros nos primeiros seis meses do ano, e em grande número de casos a dois dígitos, o que levou a que o crescimento médio em voos intra-europeus tenha atingido os 15,9%, com um aumento em 1,042 milhões, para 7,59 milhões.
A Europa foi assim a origem/destino de 82,1% dos passageiros do Aeroporto de Lisboa no primeiro semestre, em alta de 2,1 pontos em relação ao período homólogo de 2014, que teve por base o reforço do peso das ligações entre de/para países da União Europeia, que subiu 2,5 pontos, para 75,4%, com um aumento de passageiros em 16,7% ou um milhão, para 6,97 milhões.
Os dados a que o PressTUR teve acesso mostram, aliás, que em voos intra-europeus apenas se verificaram duas excepções significativas à tendência de crescimento, a Dinamarca, com uma queda em 19% ou 18,6 mil, para 79 mil, e a Rússia, com -16,6% ou menos 5,3 mil, para 26,8 mil.
Por rotas, esse dados mostram que o Porto teve o maior aumento (mais 90,3 mil ou +44,1%, para 295,4 mil) e entrou para o Top10 (subiu de 11º para 7º), seguido por Londres Stansted, com mais 72,2 mil (+63,8%, para 185,6 mil), que já ultrapassou Londres Gatwick (+14% ou mais 17,8 mil, para 144,9 mil), e Madrid, que mantém a liderança em total de passageiros no semestre, com quase 554 mil, mais 71,1 mil ou +14,7% que nos primeiros seis meses de 2014.
O quarto maior aumento do semestre foi em voos de para Ponta Delgada, com mais 67,5 mil passageiros (+50,6%, para 201 mil), que assim subiu de 18ª rota no primeiro semestre de 2014 para 12ª este ano, e seguidamente veio o aumento de 54,6 mil (+19,5%, para 334,1 mil) na rota de Bruxelas, que entrou para o Top5, superando Amesterdão, que teve uma ligeira queda, em 0,3% ou cerca de 950 para 316,2 mil.
Entre as rotas com maiores aumentos de passageiros no primeiro semestre contaram-se ainda Hamburgo, com mais 51,3 mil (+75,4%, para 119,4 mil), Eindhoven, com mais 47,7 mil (+183,9%, para 73,6 mil), Marselha, com mais 33,6 mil (+60,5%, para 89,3 mil), Dublin, com mais 31 mil (+42,2%, para 104,5 mil), e Paris Orly, com mais 31 mil (+6,6%, para 498,7 mil).
Por total de passageiros, depois de Madrid, que é a única rota a somar mais de meio milhão de passageiros no primeiro semestre, com cerca de 554 mil, vieram Paris Orly, com 498,7 mil (+6,6% ou mais 31 mil), Funchal, com 401,9 mil (+0,7% ou mais 2,6 mil), Londres Heathrow, com 356,8 mil (+0,9% ou mais 3,1 mil), e Bruxelas, com 334,1 mil (+19,5% ou mais 54,6 mil).
Na segunda metade do Top10 ficaram Amesterdão, com 316,2 mil (-0,3% ou menos cerca de 950), Porto, com 295,4 mil (+44,1% ou mais 90,3 mil), Barcelona, com 282,7 mil (+5,4% ou mais 14,4 mil), Frankfurt, com 281,6 mil (+1,5% ou mais quatro mil), e Paris Charles de Gaulle, com 265,2 mil (+1,8% ou mais 4,7 mil).
Em rotas intercontinentais, Luanda foi a primeira, com 191,4 mil passageiros (+1,5% ou mais 2,8 mil), seguindo-se São Paulo, com 133,9 mil (-0,9% ou menos 1,2 mil), Rio de Janeiro, com 122 mil (-3,9% ou menos 4,9 mil), Dubai, com 117,1 mil (+14,6% ou mais 14,9 mil), e Nova Iorque (Newark), com 110 mil (+2,8% ou mais três mil).

Para ver mais clique:
Aeroporto de Lisboa voltou em Junho ao crescimento a dois dígitos
Aeroporto de Lisboa soma pela primeira vez mais de 9 milhões de passageiros no 1º Semestre
Voos domésticos crescem 18,5% em Lisboa apesar de queda das vendas BSP Portugal
Voos de Marrocos e Brasil penalizam tráfego intercontinental de/para Lisboa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

EasyJet transporta mais 8% de passageiros de/para Portugal no semestre terminado a 31 de março

19-05-2019 (22h08)

A low cost easyJet, cujo director para Portugal, José Lopes, se queixou na sexta-feira que devido aos constrangimentos do Aeroporto de Lisboa há dois verões consecutivos (2018 e 2019) que a companhia tem “crescimento zero” no Aeroporto Humberto Delgado afinal aumentou a capacidade em 6% na época baixa.

Organismo de investigação de acidentes alerta para riscos de descolagens de Lisboa com potência reduzida

19-05-2019 (21h46)

O organismo que investiga acidentes alerta as companhias aéreas e as entidades aeronáuticas para os riscos das descolagens com potência reduzida na principal pista do Aeroporto de Lisboa, podendo ter “graves consequências” em caso de avaria de motor, apreciação que a ANA já contestou, garantindo que o aeroporto tem certificação de segurança outorgada.


ANA rejeita “declarações alarmistas” do GPIAAF sobre o Aeroporto de Lisboa

19-05-2019 (21h42)

A ANA – Aeroportos de Portugal realçou que o Aeroporto de Lisboa tem certificação de segurança outorgada, ao rejeitar as considerações do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários (GPIAAF) acerca de um incidente com um avião da easyJet.

easyJet ‘fixa’ prazo para evitar 3º Verão seguido de “crescimento zero” no Aeroporto de Lisboa

17-05-2019 (16h19)

A companhia de aviação easyJet defendeu hoje a urgência de fechar um acordo até Setembro com os militares que permita aumentar a capacidade do Aeroporto de Lisboa já no Verão de 2020, pois, avisou, de contrário “vamos estar a perder oportunidades que já não vão voltar, e isto será muito mau para a economia portuguesa”.

Prejuízo operacional de época baixa da easyJet agrava-se 350%

17-05-2019 (15h39)

A low cost easyJet, que em Portugal tem voos de/para Lisboa, Porto, Faro e Funchal, declarou hoje um prejuízo operacional para o semestre terminado a 31 de Março de 255 milhões de libras (292 milhões de euros ao câmbio de hoje), pior 355% que no período homólogo do exercício anterior, enfatizando, no entanto, que foi sem surpresa que registou essa perda.