CEO da TAP culpa restrições no aeroporto de Lisboa por mais de 500 voos atrasados em 15 dias

13-09-2018 (16h34)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, disse hoje que a companhia aérea registou atrasos em 37 voos por dia, em média, entre 28 de Agosto a 11 de Setembro por “restrições de capacidade do aeroporto de Lisboa”.

Em audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, Antonoaldo Neves, garantiu que em Agosto a transportadora deixou de ter problemas na sua operação devido à falta de tripulações.

Aos deputados, o executivo mostrou dados oficiais, recolhidos entre o final de Agosto e 11 de Setembro, para referir que os “motivos de atraso [de voos da TAP] são devidos à restrição de capacidade do aeroporto de Lisboa”.

Nesse período, houve “37 voos por dia, em média, com atrasos na chegada a Lisboa por restrições de capacidade”.

“É preciso resolver esse problema”, sublinhou Antonoaldo Neves, acrescentando que o “problema de pontualidade é crónico em Portugal”.

Referindo a 21ª pior posição do aeroporto de Lisboa em termos de pontualidade, no último ranking da empresa de estatísticas OAG, e a 25ª do Porto, Antonoaldo Neves argumentou ser “limitada a capacidade das companhias aéreas em trabalhar” para contrariar atrasos e cancelamentos (clique para ler: TAP e SATA Internacional repetiram em Agosto o Top10 dos piores índices de pontualidade, OAG / Seis em cada dez voos partiram atrasados de Lisboa em Agosto, OAG).

“As companhias têm limite para trabalhar isso. A falta de pontualidade deve-se a limitação da infraestrutura”, afirmou Antonoaldo Neves, na primeira intervenção na audiência, na qual garantiu que a TAP “não sobrevive” se não conseguir cumprir as ligações de voos.

“O modelo da TAP é de conexão [de ligações]”, recordou o CEO da companhia, notando que 55% dos seus passageiros viaja em vários voos e que “quem perde conexão, não voa mais na TAP”.

“Sem conectividade, o cliente vai para Espanha”, previu.

Na sua intervenção, Antonoaldo Neves informou ainda que dos 15 sindicatos que representam trabalhadores da transportadora fechou acordos com 14, faltando o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC).

Sobre contratações, a TAP terá 12.400 trabalhadores em 2025, depois de mais de 1.300 novas entradas entre 2017 e 2018 e 3.053 entre 2018 e 2025.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aeroporto de Lisboa

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair alega queda mais forte das tarifas para emitir profit warning

18-01-2019 (16h12)

A low cost Ryanair baixou em cerca de cem milhões de euros o intervalo da previsão de lucros do exercício 2017/2018, que termina em Março, apontando como causa uma queda dos preços dos voos mais forte do que antecipara.

TAP confirma A321neo LR na rota Porto – Newark

18-01-2019 (11h56)

A TAP confirmou que a partir de 1 de Junho vai voar entre Porto e Nova Iorque Newark seis vezes por semana com um avião Airbus A321neo Long Range, como o PressTUR noticiou esta terça-feira, dia 15.

Norwegian vai encerrar bases em Espanha, Itália e EUA

18-01-2019 (11h30)

A companhia de aviação Norwegian Air Shuttle anunciou que vai encerrar a partir de Abril várias bases em Espanha, Itália e Estados Unidos, para melhorar o seu desempenho financeiro.

Aeroportos portugueses já ficaram em Novembro abaixo do crescimento médio na União Europeia

17-01-2019 (17h49)

O estancamento do Aeroporto de Lisboa arrastou o país dos tops de crescimento da aviação comercial na União Europeia para níveis inferiores à média, de acordo com o ACI Europa, que até mostrou Faro no Top5 de crescimento em Novembro dos aeroportos com cinco milhões a dez milhões de passageiros por ano.

“A festa poderá estar a acabar em breve”, avisa director-geral do ACI Europa

17-01-2019 (17h47)

O director-geral do ACI Europe, Olivier Jankovec, citado em comunicado da organização, comentou que os dados de Novembro mostram que o transporte aéreo de passageiros “continuam a desafiar um ambiente geopolítico e económico crescentemente desafiador”, mas que “a festa poderá estar a acabar em breve”.