CEO da British Airways diz que a companhia não poderia existir sem os agentes de viagens

07-11-2017 (16h31)

60% das vendas da companhia vêm de canais indirectos

O CEO da British Airways, uma das companhias do IAG que desde dia 1 aplica uma taxa sobre as reservas em GDS, que são a ferramenta mais utilizada nas agências de viagens, declarou hoje na WTM que a companhia não poderia existir sem os agentes de viagens.

A British Airways, disse Alex Cruz, citado pelo “Travel Weekly”, está “totalmente comprometida com o trade” e “não poderia existir sem o trade”.

A notícia refere que essa afirmação foi como Alex Cruz começou a responder a uma questão colocada por um agente de viagens, da Traveldesk Services, precisamente sobre a questão da ‘taxa GDS’ que passou a ser aplicada pela British Airways e pela Iberia.

“Vamos continuar a trabalhar com você e outras agências de viagens e permanecer muito, muito comprometidos com assegurar que os seus clientes — enquanto estão ao nosso cuidado — recebem o melhor produto”, acrescento, tendo reconhecido que 60% das vendas da companhia são gerada por canais não directos

Na mesma intervenção, que segundo o Travel Weekly” se prolongou por 45 minutos, Alex Cruz anunciou que a British Airways vai investir 4,5 mil milhões de libras em 72 novos aviões e renovação dos interiores de outros 128, entre outros investimentos.

A imprensa generalista britânica destaca que na sua intervenção Alex Cruz afirmou que a British Airways vai voltar “aos dias gloriosos” com mais refeições incluídas no preço dos bilhetes e wifi a bordo.

“vamos melhorar o catering para que todos tenham melhores snacks e, nos voos mais longos, todos tenham uma segunda refeição completa”, disse.

O executivo não respondeu porém a algumas das questões que têm sido levantadas em relação ao serviço da British Airways, desde reduzir o espaço entre filas a suprimir as refeições em voos de médio curso, além do crash informático que levou à total paralisação da sua operação durante dois dias, entre outros ‘dissabores’.

Essas questões, de acordo com a imprensa britânica, explicam que num inquérito conduzido pela YouGov e divulgado na WTM, a British sofre acentuadas quebras na avaliação dos quesitos valor e qualidade da marca, enquanto a Ryanair sobe, apesar dos cancelamentos que explicou por erros de programação nas escalas dos pilotos.

As notícias acrescentam que a avaliação da British Airways degrada-se ainda mais quando são os seus clientes a pronunciar-se.

A responsável do inquérito na YouGov realçou, porém, que ainda assim a British Airways “é a companhia aérea com a mais elevada pontuação no Reino Unido em vários quesitos” e que “a grande maioria (87%) dos que voaram com a BA nos últimos 12 meses estavam satisfeitos com a sua experiência”.

A executiva da YouGov assinalou ainda a “resiliência” da British Airways em “manter a forte reputação que a marca ainda possui”.

 

Clique para mais notícias: British Airways

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Taxa GDS

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair lança-se na venda de bilhetes para eventos desportivos

14-12-2018 (17h12)

A Ryanair anunciou que começou a comercializar bilhetes para eventos desportivos, designadamente para jogos de futebol das primeiras divisões espanhola e francesa.

Brasil autoriza estrangeiros a ter 100% do capital das companhias aéreas do país

14-12-2018 (16h59)

O Presidente do Brasil, Michel Temer, assinou uma medida provisória que abre espaço para que estrangeiros assumam 100% do controlo do capital das companhias aéreas do país.

Operador dinamarquês vai ter charters para Portugal com a Jet Time, após falência da Primera Air

14-12-2018 (15h49)

O operador turístico dinamarquês Bravo Tours contratou a companhia aérea Jet Time para fazer as suas operações charter no próximo Verão, incluindo voos para Portugal, que estavam previstas ser realizadas pela Primera Air, que declarou falência em Outubro.

TAP prevê poupar 30 milhões de euros na factura de combustível em 2019

14-12-2018 (12h56)

A TAP prevê conseguir em 2019 uma poupança de 30 milhões de euros nos custos de combustível, graças à renovação da frota com aviões mais eficientes, de acordo com o Chief Financial Officer (CFO) da companhia, Raffael Quintas.

Manutenção e engenharia da TAP no Brasil prevê lucro de 3 milhões de euros em 2019 – Antonoaldo Neves

14-12-2018 (12h35)

O negócio da manutenção e engenharia da TAP no Brasil, a ex-VEM (Varig Engenharia e Manutenção), atingiu o equilíbrio operacional em 2018 e deverá alcançar em 2019 um lucro operacional de três milhões de euros, disse Antonoaldo Neves, CEO da TAP.

Ultimas Noticias