Avianca Brasil recorre à protecção de credores para resistir aos donos dos seus aviões

12-12-2018 (14h57)

Imagem: Avianca
Imagem: Avianca

A Avianca Brasil, uma das companhias de aviação do grupo Synergy dos irmãos Efromovich, recorreu à figura da protecção de credores, devido, segundo afirmou, “à resistência de arrendadores de suas aeronaves a um acordo amigável”.

A companhia, que garantiu que as suas operações “não serão afectadas”, admite, na exposição de motivos para recorrer à protecção judicial, que estava com as operações ameaçadas devido à exigência de retoma dos aviões por parte dos lessors que lhe alugaram as aeronaves.

A primeira reacção da companhia, porém, tinha sido que o diferendo com os lessors não era nada demais, que era uma situação frequente, que “negociações fazem parte da rotina de qualquer empresa para optimização de resultados”, bem como, de acordo com o portal do jornal “O Globo”, rejeitou qualquer possibilidade de entrar com o pedido de recuperação judicial, que acabaria por concretizar na segunda-feira na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo.

A Avianca Brasil enfrenta uma acção movida pelo lessor Constitution Aircraft, por alegado não pagamento das rendas de aluguer de 11 aviões, sobre a qual os Tribunais já decidiram que não pode utilizar essas aeronaves.

A Avianca Brasil, antiga OceanAir, tem voos regulares desde 2002 e actualmente é a quarta maior companhia brasileira, com 10,26 milhões de passageiros nos primeiros dez meses deste ano.

A notícia do “G1” refere que o despacho do juiz que concedeu a recuperação judicial à Avianca Brasil, a companhia atribuiu as dificuldades à "forte recessão económica enfrentada pelo país desde meados de 2014, aliada ao aumento do combustível e à variação do câmbio”.

Em comunicado, a Avianca Brasil afirma que em “primeira decisão da Justiça, teve seus pedidos garantidos, como a liberação de sua frota para o cumprimento de todos os voos programados, nos aeroportos onde opera”, realçando de seguida que “reforça que suas operações não serão afectadas”.

“Os passageiros podem ter absoluta tranquilidade em fazer suas reservas e adquirir seus bilhetes, pois todas as vendas serão honradas e os voos mantidos”, acrescenta o comunicado.

De acordo com a imprensa internacional especializada em aviação, o lessor Aircastle, indicou em informação à entidade de supervisão do mercado de capitais dos Estados Unidos, pretende retomar um Airbus A330-200 e dez Airbus A320 que tem alugados à Avianca Brasil.

A imprensa brasileira, por sua vez, tem referido que também o lessor BOC Aviation quer retomar dois A320neo, e as notícias acrescentam que já em 2016 a Avolon processou o grupo Synergy por falta dos pagamentos da Avianca Brasil.

 

Clique para mais notícias: Avianca

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Groundforce prevê investir 2,85 milhões de euros em 2019 e acredita que vai operar no Montijo

21-01-2019 (15h30)

A Groundforce estima investir este ano 2,85 milhões de euros, avançou o presidente executivo, Paulo Neto Leite, que está convicto de que a empresa de handling (assistência em terra) irá operar no futuro aeroporto complementar do Montijo.

Ryanair assina acordo com a SiteMinder para vender hotéis na Europa

21-01-2019 (14h15)

A Ryanair, que há uma semana deu por terminada a sua incursão na venda online de pacotes turísticos, assinou um acordo com a SiteMinder para comercializar hotéis na Europa através da sua plataforma Ryanair Rooms.

TAP reivindica “confiança” da banca internacional

21-01-2019 (13h07)

A TAP informou hoje que nos últimos oito meses captou “empréstimos superiores a 240 milhões de euros”, salientando que se trata de financiamentos de “bancos internacionais de primeira linha” e que demonstram “um enorme voto de confiança na Companhia”.

APG Portugal acrescenta Middle East Airlines ao seu programa de interline

21-01-2019 (10h40)

A Middle East Airlines, companhia aérea de bandeira do Líbano, passou a integrar o programa de emissão de bilhetes interline da APG Portugal, que já conta com 81 transportadoras.

Ryanair alega queda mais forte das tarifas para emitir profit warning

18-01-2019 (16h12)

A low cost Ryanair baixou em cerca de cem milhões de euros o intervalo da previsão de lucros do exercício 2017/2018, que termina em Março, apontando como causa uma queda dos preços dos voos mais forte do que antecipara.