Associação Zero defende Avaliação Ambiental Estratégica para o aeroporto do Montijo

09-05-2018 (11h39)

CEO da ANA mostra projecto para o Montijo em Novembro de 2017 (Foto: AHP)
CEO da ANA mostra projecto para o Montijo em Novembro de 2017 (Foto: AHP)

A associação ambientalista Zero defende que a escolha da localização do novo aeroporto deve ser sujeita a uma Avaliação Ambiental Estratégica, mais abrangente do que o Estudo de Impacte Ambiental, e admitem pedir a intervenção da Comissão Europeia.

Numa reacção à notícia divulgada hoje que indica que a ANA – Aeroportos e Navegação Aérea vai entregar esta semana ao Governo o Estudo de Impacte Ambiental (EIA) relativo ao futuro aeroporto do Montijo, a Zero considera que este é “um procedimento errado”.

“Este é um processo errado que, face aos impactes no ordenamento do território e à necessidade de esclarecer e avaliar as consequências das necessidades futuras das infraestruturas aeroportuárias na região de Lisboa, deve ser obrigatoriamente sujeita a uma Avaliação Ambiental Estratégica”, defende a associação ambientalista.

A Zero admite ainda pedir a intervenção da Comissão Europeia nesta matéria e recorrer à justiça em Portugal.

“Apesar de ser expectável que o promotor considere que a localização é viável, a Zero tem fortes dúvidas relativamente aos impactes do ruído sobre as populações, conservação da natureza face à proximidade do Estuário do Tejo, bem como os riscos para as aeronaves”, escreve a associação em comunicado.

A Zero considera “absolutamente necessário que se proceda a uma Avaliação Ambiental Estratégica que considere as diferentes possibilidades de implantação e evolução de uma infraestrutura destas no território”.

“As notícias recentes confirmam a realização de um estudo de impacte ambiental, o que não corresponde à necessidade legal e a uma boa prática de avaliação, transparência e participação”, sublinha.

A associação ambientalista recorda ainda que, de acordo com a legislação relativa à Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) , “encontram-se sujeitos a um procedimento de AAE os planos e programas para vários sectores, incluindo o dos transportes, que constituam enquadramento para a futura aprovação de projectos sujeitos a Avaliação de Impacte Ambiental (AIA)”.

Ainda de acordo com a legislação - reforçam -, estão também sujeitos a AAE, todos os "planos e programas que (…) constituam enquadramento para a futura aprovação de projectos que sejam qualificados como suscetíveis de ter efeitos significativos no ambiente”.

Isto “reforça o entendimento da obrigatoriedade de sujeição da decisão de localização de uma infraestrutura aeroportuária na Base Aérea n.º 6 no Montijo a um procedimento de Avaliação Ambiental Estratégica”.

A opção de localização do aeroporto “deverá ser avaliada tendo em conta e justificando exaustivamente o prosseguimento ou não de outras alternativas, incluindo a opção Zero (não construção), e (…) o prosseguimento ou não de outras possibilidades viáveis (em particular a localização no Campo de Tiro de Alcochete), devendo ser equacionados vários cenários prospectivos possíveis, nomeadamente no que se refere à evolução do mercado e do tráfego aéreo no médio e longo prazo”, acrescenta.

A Zero considera ainda importante esclarecer se o aeroporto Humberto Delgado “será ou não substituído alguma vez pelo aeroporto a implantar no Campo de Tiro de Alcochete”, qual será “o papel do aeroporto do Montijo relativamente a cada uma destas infraestruturas” e que medidas serão tomadas “para reduzir fortemente o ruído excessivo no aeroporto Humberto Delgado e eventualmente no novo aeroporto no Montijo”.

A associação acrescenta que tentou por três vezes obter uma posição sobre o tipo de estudo associado a esta infraestrutura por parte do Ministério do Planeamento e Infraestruturas (entidade que tutela o projecto) e que não teve qualquer resposta e considera grave se a Agência Portuguesa do Ambiente vier a considerar “um mero estudo de impacte ambiental” como suficiente para a discussão do futuro aeroporto.

A Zero considera que a avifauna do Estuário do Tejo será fortemente perturbada e é principal risco para a aviação, que o ruído será um factor importante de perturbação na zona da Baixa da Banheira (Moita), que as soluções de acessibilidades devem integrar opções ferroviárias e fluviais e que o crescimento elevado da aviação “vai interferir com objectivos de neutralidade carbónica”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Ver também:

Estudo ambiental viabiliza novo aeroporto do Montijo

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Está pronto para a era do NDC? – por Ian Heywood

21-09-2018 (16h36)

Com a New Distribution Capability (NDC) da IATA ainda a ser essencialmente um conjunto de interrogações, mas já a ‘abalar’ o mundo da comercialização de viagens, o PressTUR publica as reflexões de Ian Heywood, Global Head of Product & Marketing, Air Commerce da Travelport.

Turkish Airlines já ultrapassou os 50 milhões de passageiros este ano

21-09-2018 (15h06)

A Turkish Airlines, única companhia de aviação com voos regulares entre Portugal e a Turquia, e que em Portugal também vende conexões além Istambul, nomeadamente para o Extremo Oriente, informou que no fim de Agosto já somava mais de 50 milhões de passageiros transportados este ano, com um aumento médio em 13,1%.

Grupo LATAM reconhecido como líder nas Américas na área da sustentabilidade

21-09-2018 (14h54)

O LATAM Airlines Group foi nomeado na categoria "World" do Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI) pelo quinto ano consecutivo.

Presidente de Angola decreta transformação da TAAG em sociedade anónima

21-09-2018 (14h15)

O Presidente de Angola aprovou num decreto a transformação da companhia aérea angolana TAAG em sociedade anónima, primeiro passo para a provável privatização da empresa, cujo Conselho de Administração foi exonerado.

easyJet põe à venda voos até 23 de Junho de 2019

21-09-2018 (12h51)

A easyJet anunciou que já tem disponíveis as reservas para os seus voos até 23 de Junho de 2019, com um total de 26 milhões de lugares em mais de 151 mil voos.