ANAC compreende frustração no aeroporto da Madeira, mas “os ventos mudaram”

15-11-2019 (10h31)

O presidente da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) disse hoje à Lusa compreender a frustração com as dificuldades de operação no aeroporto da Madeira, mas adverte que “os ventos mudaram”.

“Eu compreendo a frustração das pessoas e dos empresários que têm os seus negócios e o que querem é ter uma conexão para os turistas não terem problemas. Mas o que é facto é que os ventos mudaram”, afirmou à Lusa Luís Ribeiro.

Segundo o presidente do regulador aéreo, “as regras não mudaram e o que aconteceu foi que nos últimos dois anos - não este último verão que foi atípico, não houve grande impacto nos ventos - houve uma grande percentagem de dias em que houve ventos acima dos limites e foi, por isso, que a operação foi mais impactada".

Na quinta-feira, no discurso de abertura do 45º Congresso da APAVT, no Funchal, o presidente da Associação, Pedro Costa Ferreira, afirmou que a Madeira tem "um problema de inoperacionalidade [aeroportuária] que vem matando a confiança dos 'players' e vem afastando lenta, mas inexoravelmente, os aviões da pista".

Pedro Costa Ferreira classificou esta questão como "inexplicável", pois, no seu entender, "nos últimos anos os ventos não se alteraram, a tecnologia de gestão da aproximação das aeronaves melhorou e a tecnologia a bordo dos aviões igualmente se aperfeiçoou".

Para o presidente da APAVT, o que "piorou" foi "o número de aproximações à pista autorizadas, o que, face ao quadro descrito, é simplesmente inimaginável e portador de prejuízos incalculáveis".

Em declarações à Lusa o presidente da ANAC realçou que “as questões não podem ser vistas desta forma assim tão simples”.

“O problema deste aeroporto em particular são as alterações bruscas da intensidade e a direção do vento. Isso é que tornas as aproximações a este aeroporto particularmente perigosas”, explicou, sublinhando que, em primeiro lugar, são os fabricantes que definem limites de ventos para as aeronaves e, depois, as companhias nos seus manuais de operação definem outros limites que, normalmente, são um pouco mais exigentes que os do próprio fabricante.

“Depois há casos excecionais em que o próprio regulador impõe outro tipo de limites”, esclareceu.

Segundo Luís Ribeiro, situações como as já registadas no aeroporto da Madeira podem “acontecer outra vez", pois estes fenómenos "são imprevisíveis" e que, mesmo no grupo de trabalho que estuda estas matérias e que conta com técnicos do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, "não sabem se estão a deparar-se com uma tendência ou com anos atípicos".

"Aquilo que temos de fazer é relativamente bem definido, que é utilizar novas tecnologias para minorar os impactos deste fenómeno, garantindo aos utilizadores do aeroporto que os voos são perfeitamente seguros. Portanto, esta é a nossa prioridade e não vamos fazer nada que ponha em causa a segurança da aviação civil", reforçou o responsável pela ANAC.

"Não podemos andar atrás de prejuízos, que eu respeito, mas que são impossíveis de ultrapassar nesta fase", acrescentou, explicando que o grupo continua a desenvolver o seu trabalho e que ajudará o desenvolvimento de tecnologia e instrumentos próprios para medir a turbulência em tempo real.

Luís Ribeiro adiantou à Lusa que, além do trabalho desenvolvido pelo grupo de trabalho, com IPMA e companhias aéreas, já foram feitos testes, exemplificando com um realizado por um Airbus 321 Neo que, quando terminou o teste, após cerca de 15 aproximações à pista, teve de substituir o trem de aterragem.

"Há um efeito turbulência [na Madeira] por causa da própria orografia do vale em que estas operações são feitas”, declarou, insistindo na importância de “tecnologia e de instrumentos próprios” para “tentar medir essa turbulência em tempo real”.

O presidente da ANAC admite que se tal for alcançado se conseguirá “reduzir nalguma medida os períodos de indisponibilidade do aeroporto”, mas ressalvou: “Agora não nos vamos enganar, os ventos não vão desaparecer, o que podemos fazer é medir com maior facilidade e com mais precisão as condições precisas que os pilotos vão defrontar".

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

América Latina proporciona 47,4% do crescimento de tráfego do IAG até Novembro

09-12-2019 (17h45)

As rotas da América Latina estão a ser de forma cada vez mais clara o ‘motor’ de crescimento do IAG, grupo que integra a British Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level, tendo valido até Novembro 47,4% do crescimento de tráfego na totalidade das operações.

Companhias do IAG transportaram até Novembro mais 4,88 milhões de passageiros

09-12-2019 (17h29)

As companhias do IAG, grupo que integra a Brisith Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level transportaram até 30 de Novembro 109,5 milhões de passageiros, com aumento em 4,7% ou 4,88 milhões relativamente ao período homólogo de 2018.

Scott Kirby substitui Oscar Muñoz como CEO da United

09-12-2019 (12h59)

A companhia de aviação norte-americana United Airlines anunciou que o seu CEO, Oscar Muñoz, vai passar a ser chairman executivo do Conselho de Administração, enquanto Scott Kirby, presidente, foi nomeado CEO.

TAP já ultrapassou o total de passageiros do ano de 2018

06-12-2019 (15h53)

A TAP transportou 15,8 milhões de passageiros entre Janeiro e final de Novembro deste ano, igualando assim o total de 2018, ano em que crescera 10,4% ou 1,5 milhões de passageiros.

TAP cresce 15,7% em Novembro e melhora ocupação dos voos em 2,1 pontos

06-12-2019 (15h50)

A TAP informou hoje que em Novembro, um dos meses mais fracos para as companhias de aviação do hemisfério Norte, teve um crescimento do tráfego medido em passageiros x quilómetros voados (RPK, na sigla do inglês) em 15,7%, conseguindo assim uma melhoria da taxa de ocupação dos voos em 2,1 pontos, mesmo tendo feito um aumento de capacidade em 12,5%.

Noticias mais lidas