Amadeus investe em tecnologia para melhorar o fluxo de passageiros nos aeroportos

14-03-2018 (16h08)

Foto: Amadeus
Foto: Amadeus

O Amadeus anunciou que fez um investimento na empresa de software de análise de dados CrowdVision para ajudar a acelerar o movimento dos viajantes nos aeroportos.

A CrowdVision, baseada em Londres, utiliza software de visão por computador e inteligência artificial para monitorizar o fluxo de passageiros nos aeroportos em tempo real.

A tecnologia de rastreamento de pessoas da CrowdVision produz dados em tempo real que os aeroportos podem usar para abordar questões relacionadas com eficiência, possibilitando controlar o volume de viajantes, que a IATA prevê quer irá quase duplicar de 3,8 mil milhões em 2016 para 7,2 mil milhões em 2035.

Na perspectiva dos viajantes, a tecnologia poderá ajudar a reduzir os tempos de espera no check-in e na segurança.

A CrowdVision já trabalha com os aeroportos de Heathrow, Stansted, London City, Chicago Midway, Chicago O’Hare e San Juan Luis Muñoz Marín segundo uma informação no seu website.

“Com a CrowdVision, estaremos aptos para ajudar os gestores dos aeroportos a melhorar as suas capacidades de previsão e resposta em relação ao fluxo dos passageiros, para que possam tomar decisões mais informadas de planeamento e investimento em tempo real”, afirmou Suzanna Chiu, chefe da Amadeus Ventures, citada em comunicado.

“Estamos determinados em apoiar os aeroportos na melhoria das suas operações e da sua eficiência, porque quando operam sem problemas, todos os intervenientes beneficiam: os aeroportos aumentam o valor das suas áreas comerciais, a pontualidade da partida dos voos aumenta e o viajante desfruta de uma experiência de viagem mais agradável”, acrescentou.

“A colaboração com a Amadeus dar-nos-á acesso a uma ampla rede de aeroportos e agências de viagens em todo o mundo. Estamos ansiosos para ajudar mais aeroportos a operar de forma mais eficiente para que todos possamos chegar ao nosso destino sem o stress que as grandes cidades podem causar”, afirmou por sua vez Fiona Strens, CEO da CrowdVision.

Os detalhes do investimento na CrowdVision não foram divulgados.

 

Clique para mais notícias: Amadeus

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP reforça liderança em voos Portugal - Espanha até Setembro, embora com perda de quota no Verão

22-10-2018 (18h02)

A TAP foi a companhia de aviação em que viajaram 39,7% dos passageiros que voaram entre Espanha e Portugal nos primeiros nove meses deste ano, a ganhar assim 0,2 pontos em relação ao período homólogo de 2017, embora no Verão (Junho a Setembro) tenha ficado em 37,6%, a baixar 0,6 pontos.

Voos entre Espanha e Portugal crescem 14,1% até Setembro e atingem 3,7 milhões passageiros

22-10-2018 (17h30)

Os aeroportos espanhóis contabilizaram 3,7 milhões de passageiros em voos de/para Portugal nos primeiros nove meses deste ano, com um aumento em 14,1% ou quase 459 mil, de acordo com os dados da empresa gestora, a AENA, consultados pelo PressTUR.

Tráfego aéreo Espanha-Brasil volta a crescer, e a dois dígitos

22-10-2018 (17h02)

Depois de em 2017 ter caído 8%, o número de passageiros a voarem entre Espanha e o Brasil está a subir este ano a 10,8% e com o aumento nos meses de Verão na Europa (Junho a Setembro) a atingir 19,2%, de acordo com dados da gestora dos aeroportos espanhóis, AENA, recolhidos pelo PressTUR.

Ryanair aposta em mais falências de concorrentes e na recepção dos Boeing B737-MAX

22-10-2018 (13h42)

Custos de voo mais competitivos e aeroportos mais dispostos a baixar preços são duas das tendências com que a Ryanair conta para contrariar nos próximos tempos a descida de lucros que contabilizou no semestre terminado a 30 de Setembro em que o seu lucro, incluindo encargos de lançamento da Laudamotion, caiu 11% ou 141,8 milhões de euros, para 1.150,7 milhões.

Ryanair lucrou menos 53,9 milhões de euros este Verão

22-10-2018 (12h52)

A low cost Ryanair, uma das companhias de aviação mais lucrativas do mundo, teve este Verão uma quebra do lucro de 53,9 milhões de euros, embora os impostos sobre lucros tivessem baixado 30 milhões de euros, porque o resultado operacional caiu 82,2 milhões, incluindo encargos de início da nova subsidiária austríaca Laudamotion.