Agência do Ambiente aprova aeroporto do Montijo mas impõe medidas de 48 milhões de euros

30-10-2019 (23h45)

Imagem: ANA Aeroportos
Imagem: ANA Aeroportos

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) emitiu esta quarta-feira uma declaração que viabiliza o projecto do aeroporto do Montijo e respectivas acessibilidades mas impõe "um pacote de medidas de minimização e compensação ambiental que ascende a cerca de 48 milhões de euros".

A Declaração de Impacte Ambiental (DIA) da APA é “favorável condicionada, viabilizando assim o projecto na vertente ambiental”, pode ler-se no documento publicado pela agência, que destaca três preocupações principais: avifauna (e seu habitat), ruído e mobilidade.

Sobre a avifauna, a agência declara que o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) estimou uma afectação de cerca de 2.500 hectares utilizados para nidificação e alimentação das diferentes espécies de avifauna no estuário do Tejo.

Para compensar esta afectação, a APA impõe medidas como: "Áreas de compensação física com a extensão de 1.600 hectares (incluindo, por exemplo o Mouchão da Póvoa); Constituição de um mecanismo financeiro para a gestão da área afectada, a gerir pelo ICNF e pago pelo proponente, com um montante inicial de cerca de 7,2 milhões de euros e uma contribuição anual na casa dos 200.000 euros; Dinamização do CEMPA-Centro de Estudos para a Migração e Proteção de Aves, gerido pelo ICNF".

Por outro lado, “tendo em conta que o aeroporto do Montijo passará a ser um aeroporto comercial, aumentando assim significativamente o nível de exposição ao ruído das populações afectadas”, a APA impõe “a minimização dos impactes nos receptores sensíveis, a apurar mediante estudos técnicos a apresentar na fase de projecto de execução”.

A compensação, prossegue a agência, “assumirá a forma de apoio financeiro a medidas de isolamento acústico, num valor estimado entre 15-20 milhões de euros (em edifícios públicos e privados)”.

Acresce ainda que a nova estrutura aeroportuária “irá certamente afectar os padrões de mobilidade local e mesmo regional”, dado que “inclui também a construção de novas acessibilidades rodoviárias até à ponte Vasco da Gama”.

Desta forma, a APA impõe que seja “fomentada a mobilidade fluvial, pelo que o promotor deverá assegurar a aquisição de 2 barcos a entregar à empresa pública Transtejo, num valor até 10 milhões de euros”.

Estas medidas “permitem minimizar e compensar os impactes ambientais negativos do projecto, as quais serão detalhadas na fase de projeto de execução”, acrescenta a agência.

A ANA Aeroportos de Portugal tem até 10 dias úteis para se pronunciar sobre o teor da Declaração de Impacte Ambiental.

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aeroporto de Lisboa encerra pista à noite de Janeiro a Junho

19-11-2019 (18h32)

O Aeroporto de Lisboa terá uma das suas pistas encerradas durante a noite entre Janeiro e Junho para uma intervenção “com vista à melhoria da eficiência da operação”, anunciou hoje a ANA Aeroportos.

Eurowings vai voar entre Colónia e Porto Santo a partir de Maio

19-11-2019 (16h19)

A companhia de aviação Eurowings, do grupo Lufthansa, abriu reservas para uma nova rota que vai inaugurar este Verão, entre Colónia, na Alemanha, e Porto Santo.

Air Europa programa voos para Marrocos de Málaga e Palma de Maiorca

19-11-2019 (16h11)

A companhia de aviação espanhola Air Europa, alvo de um proposta de compra do IAG da British Airways e Iberia, tem programado voar este Verão de Málaga e Palma de Maiorca para Casablanca, Marraquexe e Nador, em Marrocos.

easyJet ganha menos em 2019 com queda da receita por lugar voado

19-11-2019 (16h01)

A easyJet informou hoje que no exercício de 2019, terminado a 30 de Setembro, teve uma queda do lucro líquido em 2,5%, nomeadamente pela queda da receita unitária (por lugar voado um quilómetro), que baixou 2,2%.

easyJet atribui crescimento das vendas corporate ao foco B2B

19-11-2019 (15h36)

A low cost easyJet, que se 'converteu' aos GDS para ganhar a colaboração das agências de viagens para crescer no mercado das viagens empresariais, indicou hoje que em 2019 teve um crescimento em 11% nesse mercado, acrescentando que foi proporcionado pelo foco nas vendas B2B a promover os seus produtos Flexi Fare e Inclusive.

Noticias mais lidas