Aeroportos em todo o mundo tomam precauções contra surto de coronavírus

23-01-2020 (17h34)

Foto: Nils Nedel / Unsplash
Foto: Nils Nedel / Unsplash

Aeroportos à volta do mundo começaram hoje a tomar precauções com o fluxo de turistas chineses que tiram férias pelo Ano Novo Lunar, dado o surto de um novo tipo de coronavírus com origem na China.

As medidas de segurança aeroportuárias seguem-se ao anúncio de que as autoridades chinesas colocaram três cidades de quarentena, num esforço inédito que visa travar a propagação de um novo tipo de coronavírus que já matou 17 pessoas e infectou cerca de 600.

As entradas e saídas de Wuhan, a sétima maior cidade da China, com onze milhões de habitantes, e de duas cidades vizinhas, Huanggang e Ezhou, foram proibidas ao longo do dia de hoje, por serem o principal foco do vírus, apanhando milhões de pessoas desprevenidas, na véspera do início das férias do Ano Novo Lunar.

O Aeroporto Internacional do Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, o mais movimentado do mundo em passageiros de voos internacionais, anunciou hoje que, seguindo orientações do Governo, todos os passageiros que chegarem em voos diretos da China serão triados, por métodos térmicos, no portão de chegada e receberão folhetos informativos.

A filtragem no Aeroporto do Dubai, hub da Emirates, será realizada em portões fechados e seguros, por equipas das autoridades sanitárias, de acordo com informações divulgadas pela empresa Aeroportos do Dubai.

Na madrugada de hoje, oficiais da Cruz Vermelha estavam nas entradas do aeroporto italiano de Fiumicino, em Roma, para lidar com a chegada de um voo que tinha partido de Wuhan, antes do seu encerramento pelas autoridades chinesas.

Os 202 passageiros foram levados para uma área esterilizada, para que lhes fosse medida a temperatura corporal por profissionais de saúde equipados com óculos e máscaras e indumentária sanitária.

Nenhum passageiro foi travado, mas havia ambulâncias de prevenção para transportar eventuais infetados para hospitais, colocados de prevenção para o surto do vírus.

Nos voos de Wuhan com destino aos Estados Unidos, os passageiros foram direcionados para um conjunto de aeroportos - John Kennedy, Nova Iorque, Los Angeles, O’Hare, Chicago, Hartsfield-Jackson, em Atlanta – onde foram colocadas instalações sanitárias para triagem de casos de contaminação.

As autoridades britânicas informaram que os passageiros provenientes da China que aterraram no Aeroporto de Heathrow, em Londres, não estão a ser rastreados, mas recebem folhetos informativos, com instruções para a eventualidade de adoecerem.

Na Alemanha, a operadora do Aeroporto de Frankfurt, disse que o Governo ainda não forneceu instruções para triagem, pelo que não há ainda restrições, mas que são aguardadas para breve.

Na Arábia Saudita, o Ministério da Saúde anunciou que começará a rastrear passageiros de voos diretos e com escala da China, e no Bahrein a transportadora Gulf Air disse que tomou “medidas preventivas”.

Em África, aeroportos de países como a Nigéria, África do Sul e Quénia também estão a rastrear os passageiros vindos da China, um dos principais parceiros económicos de várias regiões africanas.

A principal festa das famílias chinesas, equivalente ao Natal nos países ocidentais, é também a maior migração interna do planeta.

Segundo o Ministério chinês dos Transportes estão três mil milhões de viagens internas durante os próximos 40 dias, pelo que as autoridades chinesas estão a tomar medidas acrescidas em vários aeroportos do país.

O Comité de Emergência da Organização Mundial de Saúde está reunido hoje em Genebra, na Suíça, para decidir se declara emergência de saúde pública internacional.

Os regulamentos internacionais estipulam que um surto pode ser designado como emergência internacional num evento extraordinário, que represente um risco além-fronteiras, exigindo uma resposta coordenada entre vários países.

O novo vírus que causa pneumonias virais foi detetado na China no final de 2019 e já infetou várias centenas de pessoas e provocou a morte a pelo menos 17.

Há pelos menos 571 pessoas infetadas só no território continental chinês e foram já detectados casos em Macau, Tailândia, Taiwan, Hong Kong, Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos.

As autoridades chinesas consideram que o país está no ponto mais crítico no que toca à prevenção e controlo do vírus e colocaram em quarentena, impedindo entradas e saídas, três cidades onde vivem mais de 18 milhões de pessoas - Wuhan, a as vizinhas Huanggang e Ezhou.

Num esforço sem precedentes para tentar travar a propagação, adicionalmente cancelaram também as comemorações do Ano Novo chinês em várias localidades, incluindo a capital, Pequim.

Os primeiros casos do vírus “2019 – nCoV” apareceram em meados de Dezembro na cidade chinesa de Wuhan, capital e maior cidade da província chinesa de Hubei, quando começaram a chegar aos hospitais pessoas com uma pneumonia viral.

Os sintomas destes coronavírus são mais intensos do que uma gripe e incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar.

(PressTUR com Agência Lusa)

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Qatar Airways reforça participação no IAG, segundo maior grupo aéreo europeu

20-02-2020 (12h55)

O IAG, segundo maior grupo de aviação da Europa, que tem as companhias de aviação British Airways, Iberia, Vueling, Aer Lingus e Level, anunciou ontem que o seu maior accionista, a companhia do Golfo Qatar Airways, reforçou a sua participação no Capital Social de 21,4% para 25,1%.

Atribuição de prémios na TAP com "100 milhões de euros de prejuízos" em 2019 é “inaceitável”, diz ministro

19-02-2020 (15h47)

O Governo considerou hoje “inaceitável” que a TAP, empresa que “tem 100 milhões de euros de prejuízos” em 2019, atribua prémios a uma minoria de trabalhadores, ressalvando que a decisão não é da administração, mas da gestão privada.

Quadro legal para certificação do aeroporto do Montijo pela ANAC tem que ser revisto, diz ministro

19-02-2020 (15h34)

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, disse hoje que o quadro legal para certificação do aeroporto do Montijo pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) “tem obviamente de ser revisto”, uma vez que “é absolutamente incompreensível que fosse o presidente da Câmara da Moita a negar” a construção do aeroporto.

“Mais de 400 mil passageiros não virão a Portugal este Verão” por falta de capacidade aeroportuária, diz ministro

19-02-2020 (15h31)

O ministro das Infraestruturas e da Habitação disse hoje que "mais de 400 mil passageiros não virão a Portugal este Verão" por falta de capacidade aeroportuária e que o país está "a pagar caro" o adiamento de investimentos.

Presidente da República repudia suspensão pela Venezuela dos voos da TAP

18-02-2020 (17h26)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, declarou que a decisão da Venezuela de suspender os voos da TAP por 90 dias de “totalmente incompreensível” e que “não pode deixar de ser repudiada”.

Noticias mais lidas