Aeroportos de Lisboa e do Porto tiveram dos mais fortes crescimentos na Europa em Março

10-05-2018 (17h07)

E são os únicos em Portugal a estarem melhor cotados que há um ano

O Aeroporto de Lisboa, no grupo dos maiores aeroportos europeus, com mais de 25 milhões de passageiros/ano, e o do Porto, entre os que têm entre dez e 25 milhões de passageiros, tiveram dos mais fortes crescimentos do mês de Março, segundo os rankings publicados pelo Airports Council International (ACI), que diz representar 500 aeroportos em 45 países europeus.

A informação indica que o Aeroporto de Lisboa, com um aumento de passageiros em 17,2%, teve o segundo aumento mais forte dos aeroportos do Grupo 1 no mês de Março, a par de Istambul Ataturk.

O Porto, por sua vez, com uma subida em 15,4%, teve o quinto aumento mais forte entre os aeroportos do Grupo 2.

Segundo o ACI, o aumento médio de passageiros nos aeroportos do Grupo 1 em Março foi de 8,5%, com Antalya a liderar com +23,8%, seguindo-se Istambul Ataturk e Lisboa, com +17,2%, e, seguidamente, Istambul Sabiha Gokcen, com +14,9%, Palma de Maiorca, com +14,7%, e  Moscovo Sheremetyevo, com +13,4%.

Os Aeroportos do Grupo 2, por sua vez, tiveram um aumento médio de passageiros em Março em 9,3%, e os cinco que tiveram crescimentos mais fortes foram Ancara, com +37,5%, Telavive, com +23,7%, Kiev, com +21,1%, Budapeste, com +17,8%, e Porto, com +15,4%.

Segundo o ACI, o aumento médio de passageiros nos aeroportos europeus em Março, que este ano compara favoravelmente com o de 2017 pela Páscoa mais cedo, foi de 8,9%, com +7,9% em aeroportos de países da União Europeia e +12% nos restantes.

Para Portugal, o ACI, que inclui apenas os aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Ponta Delgada, indicou um aumento médio em 14%.

Lisboa, alegadamente esgotado, foi o que teve o aumento mais forte, em 17,2%, seguindo-se o Porto, com +15,4%, Ponta Delgada, com +8,3%, Faro, com +4,3%, e Funchal, com +3,9%.

Lisboa, com 2,23 milhões de passageiros, foi em Abril o 17º maior aeroporto europeu, quando em Março de 2017 estava em 21º, e o Porto, com 887,1 mil passageiros, subiu de 51º para 48º maior.

Já Faro, com 422,8 mil passageiros, caiu de 79º para 82º maior aeroporto europeu, o Funchal, com 255,1 mil passageiros, caiu de 100º para 105º, e Ponta Delgada, com 126,8 mil, baixou de 132º para 135º.

 

Clique para mais notícias: Aeroportos europeus

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Europa

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vueling vai ter voos Tenerife - Lisboa

15-02-2019 (16h56)

A Vueling, low cost do IAG, grupo de que fazem parte também a British Airways, a Iberia, a Aer Lingus e a Level, vai ter voos entre Tenerife e Lisboa a partir de Abril.

TAP transporta menos passageiros este Janeiro nas suas rotas espanholas

15-02-2019 (15h47)

A TAP, que em meados do ano passado retirou A Coruña, Astúrias e Vigo da sua rede de destinos em Espanha, começou 2019 com uma quebra de passageiros nas ligações com o país vizinho em 3,4% ou cerca de 4,7 mil, de acordo com dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, recolhidos pela AENA.

Passageiros em voos entre Espanha e Portugal aumentam 10,8% em Janeiro

15-02-2019 (15h33)

Os aeroportos espanhóis somaram este Janeiro 357,6 mil passageiros de voos de/para Portugal, +10,8% ou mais 34,9 mil que no primeiro mês de 2018, de acordo com dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, recolhidos pelo PressTUR.

Aeroportos espanhóis começam 2019 com aumento de um milhão de passageiros

15-02-2019 (15h08)

Os 49 aeroportos espanhóis somaram 16,58 milhões de passageiros no primeiro mês deste ano, com um aumento em 7% ou 1,08 milhões em relação a Janeiro de 2018, cerca de metade do qual em Madrid Barajas e em Barcelona El Prat, de acordo com a AENA, gestora dos aeroportos espanhóis.

Lucro da Finnair baixa 11% para 150,7 milhões de euros em 2018

15-02-2019 (14h37)

A Finnair, que voa de Helsínquia para Lisboa e tem programado voar também para o Porto, obteve um lucro líquido de 150,7 milhões de euros em 2018, menos 11% do que no ano anterior, apesar de um aumento da facturação.