Aeroporto de Lisboa melhora pontualidade em Novembro, mas ainda tem 30º pior índice do mundo, OAG

07-12-2018 (16h14)

Aeroporto de Lisboa
Aeroporto de Lisboa

O Aeroporto de Lisboa teve em Novembro 56,4% dos voos a partirem até 15 minutos da partida, que é o seu melhor resultado nos rankings da consultora OAG desde Fevereiro, mas 7,7 pontos pior que no mês homólogo de 2017, no qual teve 64,1%.

A consultora coloca o Aeroporto de Lisboa com o 30º pior índice do mês entre 1.195 aeroportos classificados, imediatamente antes de Bogotá com 56,4%, no qual a OAG ‘seguiu’ 11.676 voos, que faz dele o 52º maior do mundo, enquanto o Humberto Delgado foi 85º em número de voos, com 7.999.

Para os outros aeroportos portugueses incluídos no ranking pela OAG, Horta, Ponta Delgada e Porto estão também entre os 50 piores do mundo, respectivamente com 58,9%, 59,9% e 60,1% dos voos a chegarem até 15 minutos da hora anunciada.

O melhor aeroporto português em pontualidade no mês de Novembro foi Faro, com 70,4% de chegadas até 15 minutos da hora prevista, seguido pelo Funchal, com 62,6%, e Terceira, com 61,8%, que não estiverem ‘longe’ da marca do Porto e estiveram entre os 100 piores do mundo no mês.

No conjunto dos 1.195 aeroportos com índices de pontualidade em Novembro publicados pela OAG, Lisboa ficou em 1.166º. o Porto em 1.148º, Faro em 1.006º, Funchal em 1.123º, Ponta Delgada em 1.151º, Terceira em 1.133º e Horta em 1.160º.

A informação do OAG indica que o maior aeroporto em número de voos, o Chicago O’Hare, com 35.665, teve 77,3% das partidas até 15 minutos da hora anunciada, Atlanta Hartsfield-Jackson (34.296 voos) teve 78%, Los Angeles International (25.582 voos) teve 81,8%, Dallas Fort Worth (25.518 voos) teve 80,9% e Beijing Capital (24.752 voos) teve 86,8%.

Os maiores aeroportos europeus listados pela OAG por número de voos em Novembro são Frankfurt (19.215 voos), Londres Heathrow (19.027 voos) e Amesterdão (18.398 voos), que é o melhor em pontualidade, com 82,2% das partidas até 15 minutos da hora anunciada, seguido por Frankfurt, com 75,7%, e só depois Londres, com 73,3%.

O melhor dos grandes aeroportos (mais de dez mil voos) é Moscovo Sheremetyevo (14.773 voos), que teve 94,7% das partidas até 15 minutos da hora anunciada, seguido por Tóquio Haneda (20.547 voos), com 92,5%.

 

Clique para mais notícias: OAG

Clique para mais notícias: Pontualidade

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Aeroportos portugueses

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vueling vai ter voos Tenerife - Lisboa

15-02-2019 (16h56)

A Vueling, low cost do IAG, grupo de que fazem parte também a British Airways, a Iberia, a Aer Lingus e a Level, vai ter voos entre Tenerife e Lisboa a partir de Abril.

TAP transporta menos passageiros este Janeiro nas suas rotas espanholas

15-02-2019 (15h47)

A TAP, que em meados do ano passado retirou A Coruña, Astúrias e Vigo da sua rede de destinos em Espanha, começou 2019 com uma quebra de passageiros nas ligações com o país vizinho em 3,4% ou cerca de 4,7 mil, de acordo com dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, recolhidos pela AENA.

Passageiros em voos entre Espanha e Portugal aumentam 10,8% em Janeiro

15-02-2019 (15h33)

Os aeroportos espanhóis somaram este Janeiro 357,6 mil passageiros de voos de/para Portugal, +10,8% ou mais 34,9 mil que no primeiro mês de 2018, de acordo com dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, recolhidos pelo PressTUR.

Aeroportos espanhóis começam 2019 com aumento de um milhão de passageiros

15-02-2019 (15h08)

Os 49 aeroportos espanhóis somaram 16,58 milhões de passageiros no primeiro mês deste ano, com um aumento em 7% ou 1,08 milhões em relação a Janeiro de 2018, cerca de metade do qual em Madrid Barajas e em Barcelona El Prat, de acordo com a AENA, gestora dos aeroportos espanhóis.

Lucro da Finnair baixa 11% para 150,7 milhões de euros em 2018

15-02-2019 (14h37)

A Finnair, que voa de Helsínquia para Lisboa e tem programado voar também para o Porto, obteve um lucro líquido de 150,7 milhões de euros em 2018, menos 11% do que no ano anterior, apesar de um aumento da facturação.