Alteração do modelo de distribuição da TAP só para o ano

15-03-2019 (15h11)

A TAP só para o ano poderá alterar o seu modelo actual de distribuição, deixando de ‘dar’ tarifas iguais a todas as agências de viagens e seguindo a tendência de diferenciação por ‘parceiros’ que está a predominar na Europa, uma vez que ainda está ‘amarrada’ ao acordo de full content com a Travelport, que vigora até Janeiro de 2020.

Fontes da aviação explicaram ao PressTUR que embora a companhia já tenha um novo acordo com o Amadeus, isso não basta para enveredar pela diferenciação na distribuição e deixar de praticar o chamado full content, pois continua a isso obrigada pelo acordo que tem o Travelport, que até é o GDS líder em Portugal, o qual vigora até Janeiro de 2020.

O anúncio de que a TAP já tinha um novo acordo com o Amadeus partiu da tecnológica no seu balanço do ano de 2018, no qual realça que na sua área de distribuição a companhia continua a expandir a disponibilização de conteúdos (vulgo tarifas e serviços) às agências subscritoras, acrescentando que no ano de 2018 renovou ou assinou acordos com 15 companhias aéreas, “incluindo a Finnair e a TAP” (clique para ler: TAP já renegociou acordo de distribuição com o Amadeus).

As fontes do PressTUR avançaram que esse acordo já permitiria à TAP avançar com o que tem sido denominado por private channel e mesmo com tarifas exclusivas para venda directa num canal direct connect, referindo-se à capacidade de ter distribuição diferenciada.

Esse modelo, que já está em prática nos maiores grupos de aviação europeus, passa também por uma negociação com as agências de viagens aderentes, que têm que aceitar receber menos “incentivos” dos GDS para a venda dessas tarifas, para que estes possam cobrar menos às companhias aéreas.

A ‘revolução’ em curso na distribuição de aviação acentuou-se com a criação pela IATA da chamada New Distribution Capability (NDC), inicialmente muito contestada por associações de agências de viagens e GDS, que a consideravam um ataque à comparabilidade e, por conseguinte, à transparência essencial para um bom serviço ao cliente, mas que tem feito o seu caminho e vem sendo aceite de forma praticamente unânime.

A questão no entanto, nunca foi essencialmente tecnológica, uma vez que os “incentivos” dos GDS são uma importante fonte de remuneração das agências de viagens, principalmente depois que deixaram de ter comissões das companhias de aviação.

A questão é que as companhias de aviação depois de ‘cortarem’ as comissões às agências consideram essencial cortar custos com GDS, invocando que são muito elevados e que estão a ser um travão a terem tarifas competitivas com as low cost, que paulatinamente vão ganhando mercado empresarial, que é o principal segmento das agências, nomeadamente das maiores.

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Exportações portuguesas de transporte aéreo de passageiros baixam 0,8% até Maio

18-07-2019 (16h58)

As vendas ao estrangeiro de transporte aéreo de passageiros baixaram 0,8% nos primeiros cinco meses deste ano, significando um recuo de 12,27 milhões de euros, para 1.515,59 milhões, de acordo com dados do Banco de Portugal recolhidos pelo PressTUR.

Portugueses estão mais ‘caseiros’ nos gastos turísticos

18-07-2019 (16h03)

Os destinos europeus concentraram 82,6% dos gastos dos portugueses em viagens e turismo nos primeiros cinco meses deste ano, com um reforço de 0,9 pontos em relação ao ano passado, especialmente evidente nos três principais, Espanha, França e Reino Unido, que tiveram um aumento de participação em 1,3 pontos, atingindo 54,9% do total do período.

Gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro sobem 10,8% até Maio

18-07-2019 (15h36)

Os portugueses despenderam pela primeira vez mais de 2.000 milhões de euros em viagens e turismo no estrangeiro nos primeiros cinco meses do ano, de acordo com os dados publicados pelo Banco de Portugal, dos quais se conclui um aumento médio em 10,8%.

Turistas dos Estados Unidos são os que mais estão a aumentar gastos em Portugal este ano

18-07-2019 (15h23)

O Banco de Portugal contabilizou até ao fim de Maio mais 72,69 milhões de euros de gastos em Portugal de turistas residentes nos Estados Unidos que assim foram os que fizeram o maior aumento do período, à frente dos residentes em Espanha e no Reino Unido, ambos com aumentos na ordem dos 61 milhões de euros.

Brexit para o turismo português afinal vem da Alemanha

18-07-2019 (15h21)

O mercado que mais está a penalizar o turismo português nestes primeiros cinco meses de 2019 é a Alemanha, e não o Reino Unido, como se esperava devido ao Brexit, mostram os dados do Banco de Portugal e do INE.

Noticias mais lidas