Vendas na plataforma comercial da Travelport baixam 7% até Setembro

02-11-2015 (14h36)

Mas receita líquida da companhia sobe 2%

As agências de viagens venderam até Setembro através da plataforma comercial da Travelport a nível mundial 64.245 milhões de dólares de produtos e serviços de viagens e turismo, -7% que nos primeiros nove meses de 2014, sem que essa queda tenha arrastado, no entanto, a receita líquida da companhia, que, pelo contrário, subiu 2%, para 1.592 milhões de dólares.

O balanço evidencia que a receita líquida subiu via aumento da RevPas (receita líquida por segmento), que aumentou 6%, para 5,99 dólares, compensando o decréscimo do número de segmentos processados em 3%, para 266 milhões, centrado nos Estados Unidos (-8%, para 112 milhões), Europa (-7%, para 62 milhões) e Médio Oriente e África (-1%, para 30 milhões), e parcialmente compensado pelos aumentos em 10% na Ásia e Pacífico (para 49 milhões) e na América Latina e Canadá (para 13 milhões). Em receita líquida da companhia, porém, só nos EUA se regista uma queda em 5%, para 472 milhões de dólares, atribuída à renegociação do contrato da ex-subsidiária Orbitz Worldwide.
O aumento da receita líquida da Plataforma em 2% baseou-se, assim, nos aumentos em 15% na Ásia e Pacífico, para 350 milhões, em 11% na América Latina e Canadá, para 75 milhões, e em 2% no Médio Oriente e África, para 220 milhões, enquanto na Europa, com 475 milhões, praticamente manteve o valor de há um ano.
No entanto, no terceiro trimestre, a Travelport teve aumentos a dois dígitos da receita líquida na Europa (+11%, para 159 milhões de dólares), Ásia e Pacífico (+14%, para 117 milhões) e América Latina e Canadá (+21%, para 27 milhões), os quais, com a contribuição de um aumento em 3% no Médio Oriente e África, para 72 milhões, permitiram compensar a queda nos EUA em 6%, para 153 milhões e que o balanço seja um aumento da receita líquida total em 5%, para 528 milhões.
Em valor total das vendas concretizadas pelas agências de viagens através da plataforma comercial da Travelport o balanço indica uma queda do valor global em 9%, para 20.791 milhões de dólares, sem especificar o impacto da valorização do dólar e da tendência de queda da tarifa média dos voos, que continua a ser ‘a parte de leão’ das reservas processadas pelos GDS, embora com o chamado Beyond Air a ganhar preponderância.
A Travelport indicou que através da sua plataforma comercial foram vendidos 29 milhões de bilhetes de avião no terceiro trimestre (-5% que há um ano), 16 milhões de noites de hotel (+3%) e 25 milhões de dias de rent-a-car (+9%).
No conjunto dos primeiros nove meses do ano, o número de bilhetes vendidos na plataforma eleva-se a 90 milhões (-4% que no período homólogo de 2014), 49 milhões de noites de hotel (+5%) e 70 milhões de dias de rent-a-car (+9%).

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Plataforma da Solférias já permite reservar ‘fare families’ (com vídeo)

12-11-2018 (16h03)

O operador turístico Solférias anunciou que passou a ter na sua plataforma uma funcionalidade que permite a reserva ‘fare families' em programas com voos, possibilitando aos agentes de viagens oferecer mais opções aos seus clientes.

Soltrópico dá formação sobre os Emirados Árabes Unidos

12-11-2018 (12h56)

O operador turístico Soltrópico está a anunciar uma formação sobre os Emirados Árabes Unidos a decorrer no dia 14 de Novembro.

Agências de viagens europeias acusam IATA de prepotência

09-11-2018 (12h43)

A ECTAA, organização que reúne as associações de agências de viagens e operadores turísticos europeus, acusou a IATA, associação mundial de companhias de aviação, de "unilateralmente" pôr em causa aspectos importantes da regulação da sua relação comercial.

Reservas em GDS abrandam fortemente no terceiro trimestre, Amadeus

07-11-2018 (17h50)

As reservas de voos por agências de viagens através dos GDS (sistemas globais de distribuição) passaram de um crescimento médio em 4,3% no primeiro semestre para apenas 1,7% no terceiro trimestre, revelou hoje a Amadeus IT, que atribui o abrandamento, entre outros factores, ao impacto de "estratégia adoptadas por algumas companhias de aviação" na Europa Ocidental, sua maior região.

Agências e operadores turísticos estão “relativamente confortáveis”, Pedro Gordon, GEA

05-11-2018 (18h42)

“A nível de comissões acho que o mercado está mais ou menos bem regulado neste momento”, assumiu Pedro Gordon, director-geral da GEA, maior rede portuguesa de agências de viagens em número de lojas, ao pronunciar-se sobre a remuneração das agências pelas vendas de pacotes de operadores turísticos, o seu maior segmento de actividade.