Vendas de pacotes pelas agências GEA crescem 20% até 31 de Agosto

15-10-2017 (23h25)

“A melhor notícia desta convenção, à parte da adesão, são as vendas”, enfatizou Pedro Gordon, ao anunciar que as vendas de pacotes turísticos pelas agências de viagens do Grupo GEA estão com um aumento de 20% de Janeiro a Agosto.

O aumento das vendas refere-se ao Top12 dos operadores turísticos mais procurados nas agências do grupo, um conjunto que representa mais de 90% dos pacotes vendidos pelas empresas GEA.

Em centrais hoteleiras, contando o Top6 de parceiros, que também representam mais de 90% das reservas, o aumento é de 19%, segundo revelou Pedro Gordon aos jornalistas durante a XIII Convenção da GEA em Viseu.

O director da rede GEA em Portugal salientou que na venda de pacotes “o preço por passageiro tem-se mantido”, uma situação que considera surpreendente. “Quando vimos tantos aviões para as Caraíbas, todos pensámos que o preço unitário para as Caraíbas ia cair, [mas] não, tem-se mantido razoavelmente bom”.

As Caraíbas, designadamente Cuba, México e República Dominicana, “é o que mais factura”.

Outro destino de peso é o Algarve, que “factura muitíssimo”, estando o volume de facturação destes dois primeiros destinos, Caraíbas e Algarve, muito acima dos restantes, que incluem Cabo Verde, Baleares, Canárias, Porto Santo e outros.

Para o próximo ano, “se continuar a haver confiança do consumidor no país”, Pedro Gordon perspectiva que “podemos continuar a crescer”.

A Soltour mantém a liderança dos operadores turísticos com maior volume de facturação em pacotes vendidos pelas agências de viagens GEA, com um aumento homólogo de 12% de Janeiro a Agosto.

A Soltrópico é o segundo operador, “com nível de facturação já muito importante”, seguindo-se então, com volumes inferiores aos dois mais importantes, os operadores Nortravel, Jolidey e Solférias.

Do Top5, a Jolidey é o operador turístico que mais cresce em termos relativos, com um aumento de 32%, enquanto no geral o maior aumento relativo é o da Ego Travel, que passou de “compras residuais de uns 200 mil euros por ano para um milhão até 31 de Agosto”.

Outro crescimento destacado por Pedro Gordon é o do operador turístico Sonhando, “superior a 30%”.

 

Continua em:

“Mantiveram-se margens dignas” nas agências de viagens GEA – Pedro Gordon

 

Clique para mais notícias: GEA

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Solférias leva às Maldivas agentes de viagens que mais venderem o destino

20-02-2019 (14h02)

O operador turístico Solférias anunciou que vai oferecer oito lugares numa viagem de familiarização (fam trip) às Maldivas às oito agências de viagens que mais venderem os seus programas para este destino.

Potenciais compradores da Travelport perspectivam crescimento mais agressivo

19-02-2019 (17h21)

Impulsionar a indústria da distribuição de viagens para uma espécie de “versão 2.0”, significando ter um crescimento mais agressivo, é a perspectiva apontada por Frank Baker, co-fundador do Siris Capital Group, uma das sociedades de investimento que tem em curso uma proposta de aquisição da Travelport apoiada pela administração da companhia.

Sem charters semanais para Punta Cana, turismo português para a Dominicana cai 55%

19-02-2019 (16h29)

Portugal foi o quarto país europeu com a maior quebra de turistas na Dominicana este Janeiro, reflectindo a inexistência de voos semanais para Punta Cana, ao contrário do ano passado, que foi o primeiro desde 2011 em que os operadores turísticos tiveram voos mesmo em época baixa.

Carlson Wagonlit Travel passa a ser só CWT

19-02-2019 (16h16)

A Carlson Wagonlit Travel, uma das maiores agências de viagens corporate do mundo, presente em Portugal associada à Springwater Turismo, anunciou uma mudança de designação oficial para CWT, que era já a sigla mais utilizada para a designar, embora não assumida oficialmente.

Springwater vai finalmente apostar na “aproximação/integração” Geostar - Top Atlântico

15-02-2019 (16h35)

O grupo espanhol Wamos, do fundo suíço Springwater, vai avançar finalmente para a “aproximação/integração” das suas redes em Portugal, a Top Atlântico comprada ao antigo GES e a Geostar comprada ao grupo Sonae em 2015.