‘Turismo’ do grupo TUI reduz prejuízo operacional em 5,6%, apesar de quebra de rentabilidade da operação turística

11-05-2016 (15h52)

O grupo TUI concluiu a época baixa 2015/2016 com uma redução do prejuízo operacional (EBITA) em 21,8%, para 288,3 milhões de euros, ainda que na sua principal área de negócios, a operação turística, tivesse um agravamento em 9%, que atribui em grande medida à deterioração no mercado alemão pela quebra das vendas para a Turquia e Norte de África, apesar de subida das vendas via preço médio.

O balanço publicado hoje pelo grupo enaltece a sua evolução na região Norte, onde inclui o Reino Unido, na qual não só teve a maior subida de vendas do semestre, em 6%, para 2.287,6 milhões de euros, como reduziu em 1,2% o prejuízo operacional, para 121,6 milhões de euros.

Já na região Central, onde engloba a Alemanha, apesar de um aumento das vendas em 2,8%, para 1.988 milhões de euros, a perda EBITA agravou-se 14,5%, para 116,3 milhões, e um desempenho semelhante ocorreu na região Ocidental, onde engloba França, na qual as vendas subiram 1,8%, para 915,6 milhões de euros, mas a perda EBITA agravou-se 19,6%, para 79,4 milhões de euros.

Assim, globalmente, o prejuízo EBITA de época baixa da sua área de organização e comercialização de viagens, designadamente pacotes turístico, que designa por Mercados Emissores (Source Markets), agravou-se 9% no semestre, para 317,3 milhões de euros, embora as vendas totais tenham subido em média 4%, para 5.191,2 milhões de euros.

Esta subida das vendas, como é possível calcular pelos dados publicados pelo grupo, baseou-se numa subida do preço médio pago pelos 6,022 milhões de clientes que compraram os seus pacotes no semestre, +0,4% que no período homólogo de 2014/2015.

Estes dados permitem calcular que a venda média dos operadores e agências de viagens do TUI foi na época baixa 2015/2016 de aproximadamente 862 euros, com um aumento em 3,6% face à época homóloga de 2014/2015.

Esta subida, de acordo com os cálculos do PressTUR, reflecte aumentos em cerca de 4,3% na região Norte, para cerca de 1.071 euros, e de 4,9% na região Central, para 897 euros, e uma descida de cerca de 0,2% na região Ocidental, para aproximadamente 548 euros.

O balanço do TUI indica que nos seus “Source Markets” teve 2,135 milhões e clientes na região Norte, +1,6% que na época baixa do exercício anterior, 2,215 milhões na região Central, em queda de 2%, e 1,671 milhões na região Ocidental, com um aumento em 2%.

As vendas de pacotes a estes 6,022 milhões de clientes, segundo avança o balanço, foi realizada directamente pelo próprio grupo em 71%, mais um ponto que na época homóloga anterior, com 90%, como há um ano, na região Norte, 45% na região Central (mais um ponto) e 70% na região central (também mais um ponto).

Por outro lado, como também especifica o balanço, 43% das vendas dos seus pacotes foram realizadas online, +2 pontos que na época baixa 2014/2015, com 61% na região Norte (mais três pontos), 14% na região central, como há um ano, e 53% na região Ocidental (mais dois pontos).

O balanço avança também que a evolução em alta das vendas na região Norte se ficou a dever essencialmente ao aumento em pacotes de viagens para destinos de longo curso como o México e a República Dominicana.

Canárias, Espanha Continental e Cabo Verde são, por sua vez, os destinos de médio curso em que o TUI diz que “a procura foi especialmente forte”.

Igualmente em destaque no balanço estão as vendas para a Turquia e Egipto, neste caso pelas quebras na região Central, a que acrescenta “um ambiente de mercado persistentemente competitivo”.

 

Para ler mais clique sobre o balanço do Grupo TUI clique:

Grupo TUI põe à venda Specialist Group e avança para compra das Transat França e Grécia

 

Clique para mais notícias: TUI

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Operador dinamarquês vai ter charters para Portugal com a Jet Time, após falência da Primera Air

14-12-2018 (15h49)

O operador turístico dinamarquês Bravo Tours contratou a companhia aérea Jet Time para fazer as suas operações charter no próximo Verão, incluindo voos para Portugal, que estavam previstas ser realizadas pela Primera Air, que declarou falência em Outubro.

APG Portugal acrescenta Adria Airways e Jeju Air ao seu programa de interline

11-12-2018 (16h28)

As companhias de aviação Adria Airways, da Eslovénia, e Jeju Air, da Coreia do Sul, passaram a integrar o programa de emissão de bilhetes interline da APG Portugal.

Roadshow “Os Especialistas” visita seis cidades em Fevereiro

11-12-2018 (15h27)

O roadshow “Os Especialistas”, que junta fornecedores de produtos e serviços para agências de viagens, vai percorrer seis cidades portuguesas de 18 a 28 de Fevereiro, contando assim com menos duas sessões que na edição de 2018.

Bestravel chega às 53 lojas com nova agência em Lousada

11-12-2018 (14h40)

O grupo de agências de viagens Bestravel chegou às 53 lojas com a inauguração de uma nova agência em Lousada, no distrito do Porto.

Hotéis no Sal e na Boavista estão “no limite da sua capacidade” para o Fim de Ano – presidente da AAVTCV

10-12-2018 (12h58)

Os hotéis das ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boavista estão “no limite da sua capacidade” para o réveillon, e os principais mercados emissores são o Reino Unido e Portugal, segundo Mário Sanches, presidente da Associação das Agências de Viagem e Turismo de Cabo Verde (AAVTCV).

Ultimas Noticias