Tunísia e Turquia são os destinos com melhores perspectivas de crescimento em 2019, Pedro Gordon, GEA

05-11-2018 (18h32)

Caraíbas mantiveram-se destino nº1 dos pacotes vendidos pelas agências GEA

Tunísia e Turquia vão "crescer muito" as vendas em Portugal, prognostica o director geral da GEA, maior rede de agências de viagens no país, atribuiu à Tunísia a vantagem da "proximidade" e à Turquia, "a qualidade".

"Acho que no mercado português quem vai aumentar mais as vendas são a Tunísia e a Turquia. Também algo de Egipto, mas Tunísia por proximidade e Turquia por qualidade [vão liderar aumentos]", afirmou Pedro Gordon em declarações à imprensa num intervalo da 14ª Convenção Nacional do agrupamento, que decorreu em Sesimbra, entre sexta-feira e Domingo.

Pedro Gordon, embora admitindo que não há crescimento eterno, prevê que 2019 será mais um ano de crescimento "porque ainda há confiança".

"O país está estável. Há uma estabilidade económica e uma estabilidade política e isso beneficia o consumo", explicitou, admitindo que alguma contrariedade poderá vir do próprio sector, via "excesso de oferta".

Mas globalmente, a perspectiva avançada por Pedro Gordon é de que "estamos num momento positivo, num momento bom, num momento de crescimento".

Os dados avançados por Pedro Gordon indicam crescimentos a dois dígitos em vendas de pacotes, voos, cruzeiros, estadias e, inclusivamente, no chamado ‘fato à medida', a organização de viagens específicas para clientes em função dos seus interesses, corroborando assim a visão do presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, presente na Convenção, de que o sector continua a desmentir estar em vias de extinção, pela evolução dos hábitos de compra de viagens em direcção à web.

Pedro Gordon defendeu que não faz sentido a GEA lançar-se na criação de uma marca online, que exigiria investimentos incomportáveis, tendo em conta quanto despendem gigantes como a Google, a Amazon, a Alibaba, entre vários outros gigantes da chamada ‘economia digital', tanto mais quanto o mercado português tem um nível de maturidade elevado, com players bem estabelecidos, como a eDreams, a Expedia, a Logitravel, entre outros.

A resposta da GEA, indicou Pedro Gordon, foi apresentar à convenção "uma página web marca branca bastante potente que tem motor de voos, voos + hotel, pacote fechado que é extremamente competitivo em preço, motor de cruzeiros, produtos próprios".

As agências associadas têm assim disponível uma página "completamente preparada para comércio electrónico", decorrente de um investimento em parceria com a Veturis, estando em curso a selecção de um parceiro que será "o interlocutor com as nossas agências para o setup destas páginas, para tudo o que seja customização".


Continua em:

15 anos juntos na GEA

 

Clique para mais notícias: GEA

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Plataforma da Solférias já permite reservar ‘fare families’ (com vídeo)

12-11-2018 (16h03)

O operador turístico Solférias anunciou que passou a ter na sua plataforma uma funcionalidade que permite a reserva ‘fare families' em programas com voos, possibilitando aos agentes de viagens oferecer mais opções aos seus clientes.

Soltrópico dá formação sobre os Emirados Árabes Unidos

12-11-2018 (12h56)

O operador turístico Soltrópico está a anunciar uma formação sobre os Emirados Árabes Unidos a decorrer no dia 14 de Novembro.

Agências de viagens europeias acusam IATA de prepotência

09-11-2018 (12h43)

A ECTAA, organização que reúne as associações de agências de viagens e operadores turísticos europeus, acusou a IATA, associação mundial de companhias de aviação, de "unilateralmente" pôr em causa aspectos importantes da regulação da sua relação comercial.

Reservas em GDS abrandam fortemente no terceiro trimestre, Amadeus

07-11-2018 (17h50)

As reservas de voos por agências de viagens através dos GDS (sistemas globais de distribuição) passaram de um crescimento médio em 4,3% no primeiro semestre para apenas 1,7% no terceiro trimestre, revelou hoje a Amadeus IT, que atribui o abrandamento, entre outros factores, ao impacto de "estratégia adoptadas por algumas companhias de aviação" na Europa Ocidental, sua maior região.

Agências e operadores turísticos estão “relativamente confortáveis”, Pedro Gordon, GEA

05-11-2018 (18h42)

“A nível de comissões acho que o mercado está mais ou menos bem regulado neste momento”, assumiu Pedro Gordon, director-geral da GEA, maior rede portuguesa de agências de viagens em número de lojas, ao pronunciar-se sobre a remuneração das agências pelas vendas de pacotes de operadores turísticos, o seu maior segmento de actividade.