TUI Group realça sucesso da estratégia de centrar-se em conteúdos (hotéis e cruzeiros)

28-09-2016 (16h17)

O TUI Group, maior grupo europeu de operadores turísticos e agências de viagens que tem estado a alterar o foco para os conteúdos, referindo-se a hotéis e navios de cruzeiros, anunciou hoje que vai ultrapassar a previsão de 10% de subida do lucro operacional no exercício que termina sexta-feira, avançando que espera alcançar um aumento entre 12% e 13%.

A divulgação desta nova previsão de resultados antes de juros, impostos e amortizações (EBITA), bem como antes de variações cambiais e sem contabilizar o impacto da venda da Hotelbeds, foi anunciada pelo CEO Friedrich Joussen como a demonstração do acerto da transformação do TUI no que designa por “content centric, vertically integrated tourism group”.

Aliás, nessa lógica, o seu destaque vai para o reforço da oferta de hotéis, com a abertura de cinco unidades este Verão (um RIU e um Sensatori na República Dominicana, um RIU no Sri Lanka e dois clubs Robinson na Grécia e na Turquia), e de cruzeiros, com a introdução de dois novos navios, o TUI Discovery, em Junho, e o Mein Schiff 5, em Julho.

Os operadores turísticos continuam, porém, a ser a origem da maioria das suas receitas e o grupo destaca a esse respeito que tem aprofundado a estratégia de “relação directa com os consumidores”, especificando que aumentou em um ponto, para 72%, a percentagem de vendas pelo que designa por “distribuição controlada”, ou seja, agências próprias, e reforçou em dois pontos, para 43%, o que designa por “online mix”.

Os dados que avançou por mercados emissores acerca das vendas dos seus programas de Verão indicam aumentos em 1% do número de reservas e da receita, acrescentando que excluindo a Turquia o aumento atinge 7%.

Os dados mostram, adicionalmente, que esses aumentos em 1% se devem essencialmente ao mercado do Reino Unido, onde teve um aumentos das receitas de vendas e do número de clientes em 5%.

Na Alemanha, outro dos seus principais mercados, pelo contrário, teve uma queda do número de clientes em 2% e as receitas de vendas baixaram 1%.

França, terceiro grande mercado emissor europeu, não figura nos dados publicados pelo TUI Group sobre os seus chamados “source markets”, a qual, relativamente à região Ocidental apenas inclui o Benelux, com uma queda das receitas de vendas em 1%, apesar de um aumento do número de clientes em 2%.

 

Clique para mais notícias: TUI

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CVC ultrapassou os cinco milhões de passageiros embarcados no primeiro semestre

14-08-2018 (17h56)

O grupo brasileiro CVC Corp, que engloba agências de viagens e operadores turísticos e vende viagens de lazer e corporativas, superou no primeiro semestre os cinco milhões de passageiros embarcados, com um aumento em 30,8% em relação ao período homólogo de 2017.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Lusanova Cruzeiros já vende cruzeiros Star Clippers

08-08-2018 (17h20)

A Lusanova Cruzeiros, que em finais de Julho começou a vender cruzeiros da Carnival Cruise Line, anunciou hoje que também passou a ser agente de vendas da Star Clippers.

Soltrópico lança campanha para férias em Setembro em Cabo Verde, Tunísia e Porto Santo

08-08-2018 (12h58)

A Soltrópico lançou uma campanha de vendas para férias em Setembro em alguns dos seus destinos programados com voos charter, designadamente as ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boavista, Monastir, na Tunísia, e Porto Santo.

Operadores marítimo-turísticos dos Açores queixam-se de falta de capacidade na SATA

07-08-2018 (15h08)

A SATA “está a penalizar” a actividade dos operadores marítimo-turísticos, por falta de capacidade para a procura que há nomeadamente para mergulho com jamantas ao largo da ilha de Salta Maria, que empresários locais garantem estar a afirmar-se como alternativa às Maldivas.