TUI Group realça sucesso da estratégia de centrar-se em conteúdos (hotéis e cruzeiros)

28-09-2016 (16h17)

O TUI Group, maior grupo europeu de operadores turísticos e agências de viagens que tem estado a alterar o foco para os conteúdos, referindo-se a hotéis e navios de cruzeiros, anunciou hoje que vai ultrapassar a previsão de 10% de subida do lucro operacional no exercício que termina sexta-feira, avançando que espera alcançar um aumento entre 12% e 13%.

A divulgação desta nova previsão de resultados antes de juros, impostos e amortizações (EBITA), bem como antes de variações cambiais e sem contabilizar o impacto da venda da Hotelbeds, foi anunciada pelo CEO Friedrich Joussen como a demonstração do acerto da transformação do TUI no que designa por “content centric, vertically integrated tourism group”.

Aliás, nessa lógica, o seu destaque vai para o reforço da oferta de hotéis, com a abertura de cinco unidades este Verão (um RIU e um Sensatori na República Dominicana, um RIU no Sri Lanka e dois clubs Robinson na Grécia e na Turquia), e de cruzeiros, com a introdução de dois novos navios, o TUI Discovery, em Junho, e o Mein Schiff 5, em Julho.

Os operadores turísticos continuam, porém, a ser a origem da maioria das suas receitas e o grupo destaca a esse respeito que tem aprofundado a estratégia de “relação directa com os consumidores”, especificando que aumentou em um ponto, para 72%, a percentagem de vendas pelo que designa por “distribuição controlada”, ou seja, agências próprias, e reforçou em dois pontos, para 43%, o que designa por “online mix”.

Os dados que avançou por mercados emissores acerca das vendas dos seus programas de Verão indicam aumentos em 1% do número de reservas e da receita, acrescentando que excluindo a Turquia o aumento atinge 7%.

Os dados mostram, adicionalmente, que esses aumentos em 1% se devem essencialmente ao mercado do Reino Unido, onde teve um aumentos das receitas de vendas e do número de clientes em 5%.

Na Alemanha, outro dos seus principais mercados, pelo contrário, teve uma queda do número de clientes em 2% e as receitas de vendas baixaram 1%.

França, terceiro grande mercado emissor europeu, não figura nos dados publicados pelo TUI Group sobre os seus chamados “source markets”, a qual, relativamente à região Ocidental apenas inclui o Benelux, com uma queda das receitas de vendas em 1%, apesar de um aumento do número de clientes em 2%.

 

Clique para mais notícias: TUI

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Compra da Travelport pelo fundo Siris notificada à Autoridade da Concorrência

17-01-2019 (15h24)

O fundo de investimentos Siris Cayman Fund IV notificou a Autoridade da Concorrência (AdC) da sua proposta de compra da plataforma de comércio de viagens Travelport, divulgada em 10 de Dezembro e que tem o apoio unânime da Administração da companhia.

Macau quer atrair mais convenções, congressos e exposições

17-01-2019 (14h07)

O Governo de Macau pretende tornar o território mais competitivo na atracção de mais convenções, congressos e exposições, o segmento MICE, apesar das melhorias neste sector nos últimos anos, anunciou hoje o secretário para a Economia e Finanças daquela região.

Turistas portugueses na Dominicana voltaram em 2018 a ser mais de 40 mil

16-01-2019 (17h50)

A República Dominicana recebeu 40,5 mil turistas residente em Portugal em 2018, que foi assim o segundo ano em que teve mais de 40 mil turistas residentes em Portugal, depois de em 2009 ter atingido os 42,7 mil, que se mantém o recorde anual.

Portugal foi o 2º emissor europeu que mais cresceu para a Dominicana em 2018

16-01-2019 (17h48)

Portugal, com mais 9.188 turistas na Dominicana em 2018, teve o segundo maior aumento do ano entre 25 emissores europeus, atrás apenas de Inglaterra, de onde o destino teve um aumento de 9.980 turistas.

Newtour adopta conexões NDC para aceder aos voos do Grupo Lufthansa

16-01-2019 (13h40)

A Newtour, que integra o operador turístico Soltrópico e as agências de viagens Bestravel, assinou um acordo para poder reservar voos das companhias do Grupo Lufthansa através de conexões NDC.