TTS e Travelport assinam acordo para facilitar acesso de agências portuguesas à solução TTS Corporate

05-06-2018 (13h20)

Imagem: www.tts.com
Imagem: www.tts.com

A TTS e a Travelport reforçaram o seu acordo para os próximos três anos para facilitar o acesso das agências de viagens portuguesas “em condições comerciais muito competitivas” à corporate booking tool TTS Corporate.

O acordo “irá permitir às agências portuguesas o acesso a esta plataforma em condições comerciais muito competitivas”, sublinha um comunicado.

Além disso, o acordo também prevê “um conjunto de desenvolvimentos necessários à adaptação da solução TTS Corporate ao mercado português, de forma a suportar as regras de negócios típicas do mercado e ir ao encontro das necessidades e expectativas dos viajantes corporate”.

A solução TTS Corporate, desenvolvida pela TTS, é utilizada em 83 países, estando disponível em português e tendo integração exclusivamente com os GDS da Travelport, designadamente Galileo, Apolo e Worldspan.

A TTS Corporate “destaca-se por ser muito intuitiva de utilizar e simples de configurar, permitindo que a agência de viagens personalize a solução fácil e rapidamente para cada uma das suas empresas”, sublinha o comunicado.

Outra vantagem da solução destacada pela TTS é que permite aceder a branded fares e ancillaries services disponiblizados pela Travelport.

Pedro Barata, co-fundador da TTS, citado em comunicado, afirmou que “após o acordo global de Reseller celebrado em Maio de 2017 para os próximos três anos, que acrescenta os produtos da TTS ao portfólio da Travelport em todos os mercados onde opera, esta parceria é mais uma prova de que a estratégia que definimos de trabalhar apenas com a Travelport é a aposta certa”.

A Travelport, acrescenta Pedro Barata, “preocupa-se em criar condições para que os seus subscritores sejam bem sucedidos no seu negócio e valoriza o papel dos seus parceiros nessa missão, trabalhando com eles para resolver todas as necessidades dos seus subscritores”.

António Loureiro, director regional da Travelport em Portugal, Espanha e Países Africanos de Língua Portuguesa, salientou que “ao fornecer soluções que vão ao encontro das necessidades dos agentes de viagens, o TTS Corporate amplia a nossa gama de propostas tecnológicas líderes na indústria, permitindo às agências maximizar a sua performance num mercado tão competitivo como é o sector das viagens”.

 

Clique para mais notícias: TTS

Clique para mais notícias: Travelport

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Lusanova Cruzeiros já vende cruzeiros Star Clippers

08-08-2018 (17h20)

A Lusanova Cruzeiros, que em finais de Julho começou a vender cruzeiros da Carnival Cruise Line, anunciou hoje que também passou a ser agente de vendas da Star Clippers.

Soltrópico lança campanha para férias em Setembro em Cabo Verde, Tunísia e Porto Santo

08-08-2018 (12h58)

A Soltrópico lançou uma campanha de vendas para férias em Setembro em alguns dos seus destinos programados com voos charter, designadamente as ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boavista, Monastir, na Tunísia, e Porto Santo.

Operadores marítimo-turísticos dos Açores queixam-se de falta de capacidade na SATA

07-08-2018 (15h08)

A SATA “está a penalizar” a actividade dos operadores marítimo-turísticos, por falta de capacidade para a procura que há nomeadamente para mergulho com jamantas ao largo da ilha de Salta Maria, que empresários locais garantem estar a afirmar-se como alternativa às Maldivas.

euroAtlantic prevê transportar 2.730 turistas nos charters da Sonhando para Cayo Coco

03-08-2018 (14h20)

A euroAtlantic airways anunciou que prevê transportar 2.730 turistas nos charters de Verão para Cayo Coco, em Cuba, contratados pela sua subsidiária Sonhando.

Travelport cresce 24% na Europa no 2º trimestre, mas não evita quebra do lucro em 80%

02-08-2018 (17h05)

A tecnológica para o sector das viagens Travelport informou hoje que fechou o primeiro semestre com um aumento dos proveitos em 8% impulsionado principalmente pelo crescimento em 24% na Europa, não evitando no entanto uma quebra do lucro em 80%, nomeadamente por subida dos custos do negócio de soluções de pagamentos e distribuição de viagens (GDS).