Travelport cresce 24% na Europa no 2º trimestre, mas não evita quebra do lucro em 80%

02-08-2018 (17h05)

A tecnológica para o sector das viagens Travelport informou hoje que fechou o primeiro semestre com um aumento dos proveitos em 8% impulsionado principalmente pelo crescimento em 24% na Europa, não evitando no entanto uma quebra do lucro em 80%, nomeadamente por subida dos custos do negócio de soluções de pagamentos e distribuição de viagens (GDS).

O balanço especifica que a quebra do lucro no segundo trimestre foi de 27 milhões de dólares (23,1 milhões de euros), para sete milhões (6 milhões de euros), e ficou a dever-se maioritariamente à quebra do resultado operacional em 32 milhões de dólares (27,4 milhões de euros), para 42 milhões (36 milhões de euros).

Esta quebra, por sua vez, ficou a dever-se principalmente a um aumento de 58 milhões de dólares (49,6 milhões de euros) dos custos do negócio de soluções de pagamento e um aumento do custo por segmento na distribuição (GDS) derivado a princing, mix, volume e flutuações cambiais, bem como à contabilização da imparidade de um cliente, que a imprensa internacional aposta ser a OTA grega Tripsta.

A variação do resultado operacional reflectiu ainda um aumento em 28 milhões e dólares (cerca de 24 milhões de euros) na rubrica de encargos de vendas, gerais e administrativos, “principalmente devido a movimentos desfavoráveis” do justo valor de contratos de futuros cambiais.

A amenizar estes impactos estiveram o aumento da receita em 50 milhões de dólares (42,8 milhões de euros) pelo incremento da actividade e uma redução das amortizações e provisões em quatro milhões de dólares (3,4 milhões de euros).

Relativamente ao incremento da actividade, o balanço evidencia que a Europa foi a região que gerou a maior parte do aumento no segundo trimestre e “principalmente” pelo aumento da receita média por segmento (que designa por RevPas) em 16%, que ampliou o aumento em 7% do número de segmentos.

Assim, a Europa foi a região onde a Travelport teve o maior aumento de segmentos, seguida pela América Latina e Canadá, com +4%, Estados Unidos, com +1%, e Médio Oriente e África, com +1%, enquanto na Ásia e Pacífico, que liderava o crescimento nos últimos trimestres, teve uma queda em 8%, que explica pela perda de uma OTA que não identifica.

Já em receita, tendo em conta a evolução das RevPas, a Travelport teve no segundo trimestre aumentos de receitas da sua Travel Commerce Platform de 24% na Europa, 7% na América Latina e Canadá, 5% no Médio Oriente e África, 2% na Ásia e Pacífico e 2% nos Estados Unidos.

A Europa consolidou assim a liderança em contribuição para a receita, com 223,3 milhões de dólares (191,2 milhões de euros), à frente dos EUA com 158,5 milhões (135,7 milhões de euros), Ásia e Pacífico com 144,99 milhões (124,1 milhões de euros), Médio Oriente e África com 81,6 milhões (69,9 milhões de euros), e América Latina e Canadá com 29,4 milhões (25,2 milhões de euros).

A avaliação do CEO da Travelport, Gordon Wilson, transmitida no balanço, é de que, com um aumento em 9% das receitas da Travel Commerce Platform e uma subida em 7% do EBITDA Ajustado (resultados antes de juros, impostos, amortizações e provisões expurgado de receitas e encargos não recorrentes), a companhia teve “um bom [segundo] trimestre”.

Gordon Wilson na mesma declaração realçou que a companhia superou o impacto da perda de uma OTA baseada na região Ásia e Pacífico através da conquista de novos negócios noutras regiões, enfatizando que de facto”o crescimento da receita acelerou em todas as regiões” e que a Travelport teve aumentos de quota no mercado do processamentos de reservas aéreas na Ásia, Europa e América Latina.

O executivo avançou na mesma declaração que os resultados do segundo trimestre justificam que mantenha as perspectivas para o ano avançadas anteriormente, sem deixar de comentar que no entanto antevê uma segunda metade de 2018 “mais desafiadora” tendo em conta o impacto da onde de calor na Europa do Norte, a perspectiva de mais subidas de preço dos combustíveis, tensões comerciais a nível global, bem como a quebra de contrato por uma OTA, alegadamente a grega Tripsta.

 

Para ler mais clique:

Negócios na plataforma de comércio da Travelport aumentam 12% no primeiro semestre

 

Clique para mais notícias: Travelport

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CVC ultrapassou os cinco milhões de passageiros embarcados no primeiro semestre

14-08-2018 (17h56)

O grupo brasileiro CVC Corp, que engloba agências de viagens e operadores turísticos e vende viagens de lazer e corporativas, superou no primeiro semestre os cinco milhões de passageiros embarcados, com um aumento em 30,8% em relação ao período homólogo de 2017.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Lusanova Cruzeiros já vende cruzeiros Star Clippers

08-08-2018 (17h20)

A Lusanova Cruzeiros, que em finais de Julho começou a vender cruzeiros da Carnival Cruise Line, anunciou hoje que também passou a ser agente de vendas da Star Clippers.

Soltrópico lança campanha para férias em Setembro em Cabo Verde, Tunísia e Porto Santo

08-08-2018 (12h58)

A Soltrópico lançou uma campanha de vendas para férias em Setembro em alguns dos seus destinos programados com voos charter, designadamente as ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boavista, Monastir, na Tunísia, e Porto Santo.

Operadores marítimo-turísticos dos Açores queixam-se de falta de capacidade na SATA

07-08-2018 (15h08)

A SATA “está a penalizar” a actividade dos operadores marítimo-turísticos, por falta de capacidade para a procura que há nomeadamente para mergulho com jamantas ao largo da ilha de Salta Maria, que empresários locais garantem estar a afirmar-se como alternativa às Maldivas.