Taxa GDS da Lufthansa representa recuo de 30 anos, diz presidente da DRV

05-06-2015 (15h32)

A decisão da Lufthansa de passar a aplicar uma taxa de 16 euros por reserva feita em GDS representa um recuo de 30 anos, criticou o presidente da DRV, associação das agências de viagens alemães, que este ano realiza o seu congresso anual em Lisboa.

Norbert Fiebig, citado pelo “FVW”, comentou que a decisão da Lufthansa é um passo “na direcção errada tanto para os clientes como para a indústria das viagens” e um “ataque” às vendas pelas agências de viagens, que são o principal canal de venda da companhia aérea, que segundo a publicação apenas vende directamente cerca de 30% dos bilhetes.
O dirigente associativo salientou ainda que a decisão da Lufthansa, a aplicar a partir de 1 de Setembro, não só vai encarecer os bilhetes, como reduz a transparência da oferta de voos e, assim, penaliza a comparabilidade.
Para as agências de viagens, por sua vez, significará um incremento “maciço” de trabalho, especialmente para servirem os clientes empresariais.
O “FVW”, que começa por escrever que a decisão da Lufthansa foi esmagadoramente criticada pela indústria de viagens alemã, acrescenta que também a ASR, associação de pequenas agências independentes, criticou a criação da taxa GDS, invocando o esforço que as suas associadas tiveram que fazer com reemissões perante as greves de pilotos.
O vice-presidente da ASR, Joachim Szech, citado na notícia, afirmou que a taxa GDS tem por objectivo “excluir as vendas por terceiros” e avisou que o resultado pode ser um desvio para a concorrência, designadamente para as companhias do Golfo, que são uma das principais “dores de cabeça” da Lufthansa.
Mais drástica foi ainda a posição do presidente da associação de agências online (VIR), Michael Buller, que apelidou a decisão da Lufthansa de “declaração de guerra”, por se tratar de pressionar o desvio das reservas para os canais próprios da companhia aérea.
O “FVW” noticiou ainda que também o presidente da VDR, associação alemã das viagens de negócios, Dirk Gerdom, avisou que a taxa irá “aumentar substancialmente” os custos das reservas na Lufthansa, com forte impacto nos custos de viagens das empresas, e que a associação suíça de agentes de viagens (SRV) salientou que se atingiu um novo patamar que nenhum membro pode aceitar de forma alguma.
A decisão da Lufthansa tem sido unanimemente criticada pelo sector das agências de viagens, com ênfase para o facto de pôr em causa a transparência e comparabilidade de preços entre as várias propostas em presença, com prejuízo para os clientes.
A companhia alemã, que até ao ano passado era o maior accionista do GDS Amadeus, por sua vez, argumentou com o custo das reservas via GDS, dizendo que é 18 euros, quando as reservas directas custam dois euros, e que enquanto a margem na aviação é de 1,9% nos GDS é de 20%.

Para ver mais clique:
Lufthansa passa a cobrar taxa de 16 euros nas reservas feitas pelas agências nos GDS
A indústria das viagens fica a perder — crítica do Amadeus à decisão da Lufthansa
APAVT “repudia” taxa GDS da Lufthansa. Limita escolha pelos consumidores
Sistemas computorizados de reservas foram 1,4% dos custos operacionais da Lufthansa
Preços da Lufthansa vão subir mais de 5% com a introdução da taxa GDS — ECTAA

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CVC ultrapassou os cinco milhões de passageiros embarcados no primeiro semestre

14-08-2018 (17h56)

O grupo brasileiro CVC Corp, que engloba agências de viagens e operadores turísticos e vende viagens de lazer e corporativas, superou no primeiro semestre os cinco milhões de passageiros embarcados, com um aumento em 30,8% em relação ao período homólogo de 2017.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Lusanova Cruzeiros já vende cruzeiros Star Clippers

08-08-2018 (17h20)

A Lusanova Cruzeiros, que em finais de Julho começou a vender cruzeiros da Carnival Cruise Line, anunciou hoje que também passou a ser agente de vendas da Star Clippers.

Soltrópico lança campanha para férias em Setembro em Cabo Verde, Tunísia e Porto Santo

08-08-2018 (12h58)

A Soltrópico lançou uma campanha de vendas para férias em Setembro em alguns dos seus destinos programados com voos charter, designadamente as ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boavista, Monastir, na Tunísia, e Porto Santo.

Operadores marítimo-turísticos dos Açores queixam-se de falta de capacidade na SATA

07-08-2018 (15h08)

A SATA “está a penalizar” a actividade dos operadores marítimo-turísticos, por falta de capacidade para a procura que há nomeadamente para mergulho com jamantas ao largo da ilha de Salta Maria, que empresários locais garantem estar a afirmar-se como alternativa às Maldivas.