Quatro grupos com 2.400 agências francesas recomendam privilegiar alternativas à Lufthansa

15-06-2015 (15h05)

Os agrupamentos de agências de viagens francesas Cediv, Manor, Selectour Afat et TourCom, que em conjunto somam 2.400 pontos de venda, estão a recomendar às associadas que, sempre que possível, reservem voos em companhias alternativas às do Grupo Lufthansa, que anunciou ir introduzir uma taxa sobre as reservas efectuadas em GDS.

Trata-se de uma medida que atenta contra a transparência das propostas de transporte aéreo e que penaliza os profissionais da distribuição ao complicar-lhes a comparação de tarifas, “indispensável para poderem apresentar as propostas mais vantajosas aos seus clientes”, dizem os quatro agrupamentos, citados pela imprensa francesa especializada no sector do turismo.
O grupo Lufthansa “demonstrou uma agressividade injustificada face às agências de viagens e os seus clientes”, diz a tomada de posição dos agrupamentos, que também salientaram estarem sintonizados com as tomadas de posição da ECTAA, federação de associações de agências de viagens e operadores turísticos europeus, e do SNAV, associação das agências de viagens franceses.
O presidente do SNAV, Jean-Pierre Mas, citado há dias pelo “Tour Hebdo” anunciou que a associação estuda “acções jurídicas” a levar a cabo face à “distorção da concorrência” a que conduzirá em sua opinião a decisão da Lufthansa.
A publicação refere que segundo fontes das agências de viagens o Grupo Lufthansa representa 7% das vendas BSP em França e que, dessa forma, uma eventual perda dessa ‘fatia’ não é problema maior.
O que preocupa, dizem essas fontes, é que outras companhias sigam a política do Grupo Lufthansa, que, acrescentam, visa desfavorecer o canal de vendas agências de viagens e “vontade de controlar os preços”.
Em Portugal, fontes das agências de viagens têm também como certo que é “fazendo sentir o seu desagrado onde mais dói” que podem fazer com que a Lufthansa compreenda as dificuldades que lhes está a causar e aos seus clientes.
Agentes de viagens com que o PressTUR falou não usam a palavra “boicote” mas não deixam de dizer que vender Lufthansa só nos casos em que não há alternativa conveniente para os passageiros.
Em causa estão principalmente as ligações a destinos do Extremo Oriente, um mercado que a Lufthansa já teve forte ascendente em Portugal pelos seus voos via Frankfurt e Munique.
Actualmente, porém, segundo as fontes do PressTUR, têm sido a Emirates, com voo via Dubai, e a Turkish Airlines, com voos via Istambul, que têm estado com crescimentos fortes no Aeroporto de Lisboa.
O Grupo Lufthansa anunciou no dia 2 que as suas companhias vão aplicar a partir de 1 de Setembro uma taxa de 16 euros por reserva efectuada em GDS, que são os sistemas utilizados pelas agências de viagens por lhes permitirem de forma eficiente elencar as alternativas disponíveis.
O que está em causa para as agências de viagens é, assim, não só um sobrecusto directo como também a perda de eficiência no serviço ao cliente, agravados pela percepção que estão a ser “tomadas como reféns” na “batalha” das companhias aéreas para fazerem os GDS baixarem os seus custos.

Para ver mais clique:
Lufthansa passa a cobrar taxa de 16 euros nas reservas feitas pelas agências nos GDS
A indústria das viagens fica a perder — crítica do Amadeus à decisão da Lufthansa
APAVT “repudia” taxa GDS da Lufthansa. Limita escolha pelos consumidores
Sistemas computorizados de reservas foram 1,4% dos custos operacionais da Lufthansa
Preços da Lufthansa vão subir mais de 5% com a introdução da taxa GDS — ECTAA
Taxa GDS da Lufthansa representa recuo de 30 anos, diz presidente da DRV

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CVC ultrapassou os cinco milhões de passageiros embarcados no primeiro semestre

14-08-2018 (17h56)

O grupo brasileiro CVC Corp, que engloba agências de viagens e operadores turísticos e vende viagens de lazer e corporativas, superou no primeiro semestre os cinco milhões de passageiros embarcados, com um aumento em 30,8% em relação ao período homólogo de 2017.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Lusanova Cruzeiros já vende cruzeiros Star Clippers

08-08-2018 (17h20)

A Lusanova Cruzeiros, que em finais de Julho começou a vender cruzeiros da Carnival Cruise Line, anunciou hoje que também passou a ser agente de vendas da Star Clippers.

Soltrópico lança campanha para férias em Setembro em Cabo Verde, Tunísia e Porto Santo

08-08-2018 (12h58)

A Soltrópico lançou uma campanha de vendas para férias em Setembro em alguns dos seus destinos programados com voos charter, designadamente as ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boavista, Monastir, na Tunísia, e Porto Santo.

Operadores marítimo-turísticos dos Açores queixam-se de falta de capacidade na SATA

07-08-2018 (15h08)

A SATA “está a penalizar” a actividade dos operadores marítimo-turísticos, por falta de capacidade para a procura que há nomeadamente para mergulho com jamantas ao largo da ilha de Salta Maria, que empresários locais garantem estar a afirmar-se como alternativa às Maldivas.