GDS representam menos de um terço das reservas de voos, Amadeus

11-06-2019 (18h04)

A resposta do Amadeus às críticas da IATA sobre o seu papel em relação ao NDC revela aspectos pouco conhecidos da actividade, como, por exemplo, que os GDS, que são as ‘ferramentas’ mais usadas pelas agências de viagens, representam menos de um terço do total de reservas das companhias de aviação.

A empresa especifica, aliás, para contestar o alegado “poder de mercado” dos GDS, que no ano passado, “os bilhetes distribuídos através dos três maiores GDS representaram uma minoria dos bilhetes de avião distribuídos” e que no seu caso, líder com mais de 40% do mercado dos três grandes GDS, as reservas processadas são menos de 20% do mercado total de bilhetes de avião.

A alegação do Amadeus visa directamente a acusação de que tem práticas anti-competitivas, o que não só contesta como contrapõe que são os canais de distribuição directa das companhias que têm a maioria do mercado de distribuição de bilhetes.

Acresce, avança o Amadeus, que os três grupos de aviação “dominantes” na Europa actualmente cobram taxas às agências que fazem reservas através dos GDS, que, diz, são mais elevadas do que as fees cobradas pelo Amadeus pelos serviços de distribuição, contrariando assim a alegação com que essas taxas foram criadas, de que seriam para cobrir os altos custos dos GDS.

Além disso, realça o Amadeus, as companhias têm estado a aumentar essas taxas, exemplificando que ainda a 9 de Maio a Iberia e a British Airways fizeram o terceiro aumento desde que passaram a aplicar a taxa.

O Amadeus ataca também na resposta às alegações da IATA na ACPAC que os GDS tenham práticas monopolistas, realçando que nenhuma empresa com uma quota de 20% conseguiria ter práticas monopolistas, além de que os GDS na Europa têm que respeitar o Código de Conduta definido a nível da União Europeia, nomeadamente listando as propostas das companhias de aviação de forma neutral e não discriminatória.

A resposta enfatiza que os acordos que o Amadeus estabelece não impedem as companhias de aviação de baixar as tarifas em outros canais, não restringem de forma nenhuma a sua possibilidade de trabalharem com outros fornecedores e não impedem companhias de aviação e agentes de viagens de adoptarem soluções tecnológicas de terceiros ou soluções baseadas em NDC.

“Tudo o que o Amadeus procura conseguir através de negociações com aquelas companhias utilizam os seus sistemas de distribuição é que os agentes de viagens subscritores não recebem pior conteúdo das companhias de aviação participantes do que as agências de viagens que utilizem outros fornecedores de GDS”, garante a empresa.

Continua:

Amadeus já tem capacidade para processar 75 mil transacções por segundo

 

Clique para mais notícias: Amadeus

Clique para mais notícias: IATA

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Magnet junta companhias aéreas e agentes de viagens em Lisboa, Porto e Coimbra

19-09-2019 (16h53)

A Magnet vai organizar em Outubro, em Lisboa, Porto e Coimbra, um evento para juntar agentes de viagens e as principais companhias de aviação que operam em Portugal.

Solférias leva agentes de viagens portugueses à Tailândia

18-09-2019 (18h16)

O operador turístico Solférias levou um grupo de agentes de viagens portugueses a conhecer a Tailândia, um dos novos destinos da sua programação, proporcionando-lhes um circuito que incluiu praias, cidade e natureza.

Gigante europeu da operação turística recorre à protecção de credores nos tribunais dos EUA

17-09-2019 (16h21)

O grupo Thomas Cook, tradicionalmente considerado o segundo maior da Europa na operação turística e agência de viagens, solicitou ontem a protecção de credores, o chamado Chapter 15, num tribunal de Nova Iorque, que o protege de tentativas de cobranças por parte de credores dos Estados Unidos.

OTA de hotéis Amoma cessa e culpa “comparadores de preços”

16-09-2019 (11h08)

A agência de reservas hoteleiras Amoma, em www.amoma.com, que no ano passado teve vendas superiores a 500 milhões de euros, anunciou que cessa actividade e não terá como assegurar o respeito pelas responsabilidades contraídas para com os clientes.

Agências de viagens reclamam protecção dos consumidores perante falências de companhias aéreas

10-09-2019 (19h45)

As agências de viagens e turismo reafirmaram hoje a exigência de protecção dos consumidores face a falências de companhias de aviação, que em dois anos já são 36, reclamando mais "ambição" por parte da União Europeia e dos legisladores nacionais.

Noticias mais lidas