Começa a haver uma percepção do potencial do NDC - Clare de Bono, Amadeus

29-05-2018 (18h10)

Foto: Amadeus
Foto: Amadeus

O NDC (New Distribution Capability) da IATA suscitou "incerteza" quando começou a ser apresentado, mas essa percepção está a mudar, uma vez que as pessoas estão a começar a aperceber-se do seu potencial, disse em entrevista ao PressTUR Clare de Bono, directora de Produto e Inovação do Amadeus no Reino Unido e Irlanda.

“Temos que ver que a tecnologia em que as agências de viagens se desenvolveram é dos anos 60 do século passado. É preciso revigorar um pouco”, disse ao PressTUR Clare de Bono, que esteve esta segunda-feira em Lisboa para a 2ª edição do Amadeus Technology & Innovation Forum.

 

PressTUR: Quando se começou a falar do NDC era encarado como uma ameaça por agências de viagens e GDS. Agora é visto como muito inovador. O que é que mudou?

Clare de Bono: Acho que no início havia incerteza sobre o que o NDC envolvia. Nós nunca fomos contra o NDC. O que temos que garantir é que funciona. O que aconteceu nos últimos anos, especialmente em 2017, foi que mais companhias aéreas começaram a embarcar [no NDC]. Os padrões do NDC começaram a ficar mais... um padrão. A propósito, acho que ainda temos algum caminho a percorrer nesse aspecto, mas pelo menos começámos a ver uma aglutinação, uma união das diferentes formas de fazer as coisas. E também – mas mais uma vez, acho que ainda não chegámos lá – as pessoas estão a aperceber-se de que estão a chegar funções adicionais que realmente ajudam uma agência a fazer uma reserva. No momento em que tivermos capacidade de trabalhar de um ponto ao outro, então as pessoas poderão ver uma nova forma de fazer as coisas. Temos que ver que a tecnologia em que as agências de viagens se desenvolveram é dos anos 60. É preciso revigorar um pouco. Não seria bom se existissem agora pesquisas em que pudéssemos dizer: tenho 500 euros e quero ir para algum sítio quente? E, certamente, os verbos que estão a chegar com o NDC vão permitir coisas desse género. Temos a visão do que pode vir ser [agora], mas no início toda gente olhava apenas para o intervalo [entre o que é e o que poderia ser]. As pessoas agora já viram progressos. Ainda temos um caminho a percorrer. Mas se as pessoas já viram progressos poderão pensar que é hora de embarcar.

 

PressTUR: Os hotéis poderiam usar um modelo como o NDC?

Clare de Bono: Potencialmente sim. Só que actualmente não existe nenhuma entidade global para hotéis como a IATA [para companhias aéreas]. Se alguém quisesse criar um padrão global como o NDC para os hotéis, em teoria, sim.

 

Continua:

Amadeus prevê obter este Verão o nível máximo de certificação IATA NDC como agregador

Private channels são apenas mais um caminho para as companhias aéreas chegarem ao mercado – Clare de Bono, Amadeus

Amadeus investe em soluções mobile para potenciar reservas de serviços no destino


Ver também:

NDC ainda está longe de ser o modelo padrão – Clare de Bono, Amadeus

 

Clique para mais notícias: Amadeus

Clique para mais notícias: NDC

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Plataforma da Solférias já permite reservar ‘fare families’ (com vídeo)

12-11-2018 (16h03)

O operador turístico Solférias anunciou que passou a ter na sua plataforma uma funcionalidade que permite a reserva ‘fare families' em programas com voos, possibilitando aos agentes de viagens oferecer mais opções aos seus clientes.

Soltrópico dá formação sobre os Emirados Árabes Unidos

12-11-2018 (12h56)

O operador turístico Soltrópico está a anunciar uma formação sobre os Emirados Árabes Unidos a decorrer no dia 14 de Novembro.

Agências de viagens europeias acusam IATA de prepotência

09-11-2018 (12h43)

A ECTAA, organização que reúne as associações de agências de viagens e operadores turísticos europeus, acusou a IATA, associação mundial de companhias de aviação, de "unilateralmente" pôr em causa aspectos importantes da regulação da sua relação comercial.

Reservas em GDS abrandam fortemente no terceiro trimestre, Amadeus

07-11-2018 (17h50)

As reservas de voos por agências de viagens através dos GDS (sistemas globais de distribuição) passaram de um crescimento médio em 4,3% no primeiro semestre para apenas 1,7% no terceiro trimestre, revelou hoje a Amadeus IT, que atribui o abrandamento, entre outros factores, ao impacto de "estratégia adoptadas por algumas companhias de aviação" na Europa Ocidental, sua maior região.

Agências e operadores turísticos estão “relativamente confortáveis”, Pedro Gordon, GEA

05-11-2018 (18h42)

“A nível de comissões acho que o mercado está mais ou menos bem regulado neste momento”, assumiu Pedro Gordon, director-geral da GEA, maior rede portuguesa de agências de viagens em número de lojas, ao pronunciar-se sobre a remuneração das agências pelas vendas de pacotes de operadores turísticos, o seu maior segmento de actividade.