Atrair congressos da DRV e da ABTA para Portugal foi “um novo vento que soprou na APAVT”

08-12-2016 (09h19)

Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT (Cont.7)

"Para nós é mais importante o relacionamento com o cliente, é mais importante a valorização dos quadros das agências de viagens, é mais importante o modo como tecnologicamente evoluímos, do que propriamente o valor da comissão", assim ilustra Pedro Costa Ferreira o trabalho que desenvolve há cinco anos na presidência da Direcção da APAVT e, no fundo, qual o legado que pretende transmitir, em que sobressaem iniciativas como a atracção para Portugal dos congressos da DRV e da ABTA além de reuniões da ECTAA.

A questão surge a propósito de se a vida da Associação continua dominada pelos debates em torno das relações com os fornecedores ou se é assumido, como diz ao PressTUR, que "mais importante para nós do que falar de comissões [é] ter conseguido pela primeira vez atrair um congresso alemão ou ter conseguido pela primeira vez atrair um congresso inglês".

"Isso, sim, é um novo vento que soprou na APAVT e, modéstia à parte, porque não temos que esconder aquilo que achamos que fizemos bem, é provavelmente algo que nenhuma outra associação privada em Portugal fez", sublinha.

 

PressTUR: E em que medida é que essa ideia base de que é preciso transformar informação em conhecimento, e depois também saber vendê-lo, perpassa no congresso?

Pedro Costa Ferreira: De uma forma total... Já lhe falei no primeiro painel, com o presidente da associação holandesa, com o vice-presidente da associação americana e com o próprio Svend Leirvaag, que vão desmistificar a falta de utilidade das agências de viagens, contrapondo exactamente o contrário, como é um valor actual a liberdade de escolha e como a existência das agências de viagens é importante para a sustentabilidade da liberdade de escolha. O segundo painel diz respeito a estratégias empresariais e factores de competitividade, em que vamos ter um professor universitário, Luís Rasquilha, e vamos ter uma speaker profissional, que é a Carla Carvalho Dias, que vão dar relevância à necessidade de desenvolver estratégias que respondam às actuais tendências do consumidor e que nos vão falar - para dar um exemplo, que penso que é actual e importante - de como só o serviço é diferenciador. E serviço tem a ver com tudo o que temos andado a falar, com esta necessidade de responder de uma maneira diferente a um contexto que é completamente diferente.

 

PressTUR: E na vida da Associação? Ou a vida da Associação continua a ser dominada pelas questões da relação com a TAP, com os hoteleiros, etc..?

Pedro Costa Ferreira: Eu espero que não seja essa a ideia que as pessoas têm da APAVT... Hoje continua a ser relevante a relação a montante, com fornecedores, porque as agências constroem e desenvolvem produto em cima dessa relação, pelo que essa relação nunca será ausente da actividade das agências de viagens. Como sabe, ao longo dos últimos anos, a Associação foi obrigada a desenvolver negociações complexas e acordos com fornecedores, nomeadamente companhias aéreas e com a TAP. Agora, do ponto do vista do meu pensamento e do pensamento da Direcção da APAVT, é absolutamente óbvio que os aspectos relacionados com o sucesso das agências de viagens, que estão na esfera da criação de valor, são os aspectos relacionados com a relação com o cliente, não com a relação com o fornecedor. Quem ainda se mantém a olhar para comissões está a defender o que já foi e quem defende o que já foi não vai pertencer ao que há-de vir. É mais importante para nós do que falar de comissões ter conseguido pela primeira vez atrair um congresso alemão ou ter conseguido pela primeira vez atrair um congresso inglês. Isso, sim, é um novo vento que soprou na APAVT e, modéstia à parte, porque não temos que esconder aquilo que achamos que fizemos bem, é provavelmente algo que nenhuma outra associação privada em Portugal fez. Nós soubemos inovar, implementar, concretizar e com isso julgo que estamos a criar raízes para novos negócios de todos os elementos da cadeia de distribuição e provavelmente também para novos ventos de intervenção das associações.

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CVC ultrapassou os cinco milhões de passageiros embarcados no primeiro semestre

14-08-2018 (17h56)

O grupo brasileiro CVC Corp, que engloba agências de viagens e operadores turísticos e vende viagens de lazer e corporativas, superou no primeiro semestre os cinco milhões de passageiros embarcados, com um aumento em 30,8% em relação ao período homólogo de 2017.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Lusanova Cruzeiros já vende cruzeiros Star Clippers

08-08-2018 (17h20)

A Lusanova Cruzeiros, que em finais de Julho começou a vender cruzeiros da Carnival Cruise Line, anunciou hoje que também passou a ser agente de vendas da Star Clippers.

Soltrópico lança campanha para férias em Setembro em Cabo Verde, Tunísia e Porto Santo

08-08-2018 (12h58)

A Soltrópico lançou uma campanha de vendas para férias em Setembro em alguns dos seus destinos programados com voos charter, designadamente as ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boavista, Monastir, na Tunísia, e Porto Santo.

Operadores marítimo-turísticos dos Açores queixam-se de falta de capacidade na SATA

07-08-2018 (15h08)

A SATA “está a penalizar” a actividade dos operadores marítimo-turísticos, por falta de capacidade para a procura que há nomeadamente para mergulho com jamantas ao largo da ilha de Salta Maria, que empresários locais garantem estar a afirmar-se como alternativa às Maldivas.