Agências de viagens reclamam protecção dos consumidores perante falências de companhias aéreas

10-09-2019 (19h45)

As agências de viagens e turismo reafirmaram hoje a exigência de protecção dos consumidores face a falências de companhias de aviação, que em dois anos já são 36, reclamando mais "ambição" por parte da União Europeia e dos legisladores nacionais.

"A Confederação Europeia das Associações de Agências de Viagens e Operadores Turísticos (ECTAA, na sigla do inglês) lamenta o facto de a União Europeia e os legisladores nacionais não serem mais ambiciosos na protecção dos seus cidadãos", diz a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) em comunicado, observando que, "apesar de dois vastos estudos sobre as falências de companhias aéreas avaliarem o impacto nos passageiros e sugerirem opções factíveis para melhor proteger os passageiros, os legisladores europeus ainda não se decidiram a legislar nesta área".

Antecipando que a actual estrutura da indústria aérea na Europa motivará "uma maior consolidação nos próximos anos, o que muito provavelmente irá causar um maior número de falências ou encerramentos de companhias aéreas", as agências de viagens e turismo consideram a actual situação "desapontante", tendo em conta que "um estudo de 2011 demonstrou que a solução mais efectiva e fazível seria a introdução de um fundo de reserva para a protecção de passageiros contra a insolvência de companhias aéreas".

"Há muito que a ECTAA reclama o estabelecimento de um mecanismo mandatório suportado pelas companhias aéreas para a protecção dos passageiros. Precisamos de condições equitativas para todos os passageiros e de oferecer aos viajantes a confiança de que tudo está preparado para, no caso de insolvência de uma companhia aérea, assegurar o repatriamento e a devolução do valor não utilizado", sustentam.

Para a APAVT, o recente caso da Aigle Azur - a segunda maior companhia aérea francesa, da qual David Neeleman é o segundo maior accionista, que solicitou a protecção de credores no dia 2 e tem suspensos todos os voos desde Sábado (para ler clique: Voos da Aigle Azur afinal cessam hoje ao fim do dia) - é só "a entrada mais recente na lista de companhias aéreas que cessaram operações, deixando mais de 13.000 passageiros em terra e milhares de outros com bilhetes que agora não têm qualquer valor".

"Esta situação, recorrente, sublinha uma vez mais a necessidade de criação de uma protecção adequada aos consumidores face às falências das transportadoras aéreas", sustenta a Associação, salientando que "é sempre a mesma situação depois de todas as falências: os passageiros são deixados em terra, no estrangeiro, e têm de comprar novos bilhetes sem terem a perspectiva real de reaver o dinheiro dos voos que não utilizaram na companhia falida".

Isto porque os passageiros que viajam enquadrados num pacote turístico comprado a uma agência de viagens estão protegidos pela Directiva Europeia dos Pacotes Turísticos, mas este mecanismo não cobre os passageiros que compram apenas o lugar de avião.

Para os passageiros que compram apenas o bilhete de avião, o designado seat only "não há, simplesmente, qualquer esquema de protecção", realçou o presidente da ECTTA, Pawel Niewiadomski, citado no comunicado, contestando que as agências de viagens e os operadores turísticos tenham "de providenciar garantias financeiras e/ou terem um seguro contra a sua própria insolvência", enquanto "as companhias aéreas não têm qualquer obrigação equivalente que proteja os seus clientes contra a sua insolvência".

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: APAVT

Clique para mais notícias: ECTAA

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Grupo Wamos compra activos da Neckermann na Bélgica

11-10-2019 (16h51)

O Grupo Wamos, que está presente em Portugal desde a compra da ES Viagens e da Geostar pelo fundo de investimento Springwater, anunciou a compra de 100% dos activos da agência de viagens Neckermann na Bélgica, uma marca do falido grupo Thomas Cook com cerca de 150 milhões de euros por ano de facturação.

Falência da Thomas Cook “é um reordenamento do sector”, OMT

10-10-2019 (00h10)

O director executivo da Organização Mundial do Turismo (OMT), Manuel Butler, afirmou que a falência da Thomas Cook “é um reordenamento do sector” no contexto da “transformação brutal” que está a viver o turismo a nível mundial.

Hays Travel compra 555 agências da Thomas Cook no Reino Unido

10-10-2019 (00h04)

A Hays Travel, que tem 190 agências de viagens no Reino Unido, anunciou esta quarta-feira que vai comprar as 555 agências da Thomas Cook no país, empresa britânica que declarou falência em Setembro.

Filial alemã da Thomas Cook cancela viagens até ao final do ano

09-10-2019 (23h56)

A filial alemã da empresa de viagens britânica Thomas Cook, que também faliu em Setembro, cancelou todas as suas viagens até ao final do ano, ainda que estejam pagas parcial ou totalmente.

Bestravel anuncia “Quinzena dos Cruzeiros” com descontos até 30%

08-10-2019 (15h24)

A rede de agências de viagens Bestravel lançou para o mercado uma campanha de promoções para cruzeiros com descontos até 30%, válida até 22 de Outubro.

Noticias mais lidas