Havana, à descoberta dos encantos da capital

06-09-2019 (08h50)

Os clássicos a rodar na estrada à beira-mar, a música a escapar pelas janelas dos bares e uma história para contar em cada praça, assim fomos recebidos em Havana, para uma despedida que deixou vontade de regressar.

Depois de quase cinco horas de viagem desde Cayo Ensenachos, é impossível combater a sedução do Malecón, uma avenida à beira-mar onde pescadores, grupos de amigos e casais ficam a ver as ondas bater na muralha. Do outro lado da estrada, palacetes antigos encantadores, uns recuperados e outros com uma inexplicável beleza decadente.

Mas é no coração do centro histórico da capital cubana que encontramos a nossa base para descobrir a cidade, o emblemático Iberostar Parque Central, com vista para o Capitólio a partir do terraço e de alguns quartos.

De um lado do hotel está uma avenida para caminhar à sombra das árvores chamada Paseo del Prado, e do outro, a vibrante Calle Obispo, recheada de lojas e cafés. Em frente, o Capitólio.

Seguindo para a Calle Obispo encontramos o Floridita, um dos bares mais conhecidos da cidade, onde paramos para ouvir a música ao vivo enquanto saboreamos um delicioso Daiquirí, tão apreciado pelo escritor norte-americano Ernest Hemingway quando viveu em Havana, nos anos 1940.

Ali perto ficamos a conhecer dois ícones da revitalização da capital cubana, os hotéis Iberostar Grand Packard e Gran Hotel Manzana Kempinski, dois edifícios históricos convertidos em hotéis modernos, de design sofisiticado e com vistas incríveis sobre o centro histórico.

Partimos então à descoberta das praças mais emblemáticas de Havana, um dos roteiros mais procurados na cidade, terminando a Plaza de la Catedral, onde podemos ver um conjunto homogéneo de edíficios de estilo barroco.

Junto à Catedral está outro dos mais conhecidos bares da cidade, a Bodeguita del Medio. O som de guitarras, contra-baixo, congas e vozes invade as ruas, enquanto no balcão enchem-se e esvaziam-se Mojitos, também estes celebrizados por Ernest Hemingway.

Para a despedida, um passeio em carros clássicos para conhecer outros bairros além do centro histórico, como Vedado, com as suas construções dos anos 1950, e Miramar, com as suas avenidas largas e palacetes com jardim.

Entre os carros clássicos mais comuns estão os americanos Chevrolet, Buick, Ford e Plymouth ou os russos Volga e Lada, relíquias que ilustram um momento crucial na história de Cuba: após o triunfo da revolução em 1959 foram nacionalizadas refinarias detidas por norte-americanos e os Estados Unidos impuseram a Cuba um embargo comercial, económico e financeiro. Proibidos de fazer importações, só com muito engenho conseguiram manter estas máquinas em funcionamento ao longo de quase seis décadas.

Havana foi a última paragem depois de 1.600 quilómetros pelas estradas de Cuba, em quase 24 horas de autocarro ao longo de dez dias. Não havia melhor cidade para a despedida, mas também não havia melhor cidade para nos fazer querer voltar.

Por Luís Canto

O PressTUR viajou a convite do Ministério de Turismo de Cuba

 

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Pelas estradas de Cuba, de Santiago a Havana

06-09-2019 (09h08)

Em mais de 1.600 quilómetros de estrada, de Santiago a Havana, pouco escapou aos profissionais de turismo portugueses e espanhóis que participaram nesta viagem a Cuba. Visitaram cidades que ainda estão a despertar para o turismo, conheceram novos hotéis e praias paradisíacas.

Santiago de Cuba, entre o mar das Caraíbas e a Sierra Maestra

06-09-2019 (09h06)

Uma cidade que respira música e animação, e ao mesmo tempo um local rico em história, assim é a segunda maior cidade do país, Santiago de Cuba, instalada entre o mar das Caraíbas e a Sierra Maestra.

El Cobre, o local de peregrinação mais sagrado em Cuba

06-09-2019 (09h02)

No meio da montanha, a espreitar entre a vegetação abudante, avistamos um edifício amarelo com cúpulas vermelhas. É a Basílica de El Cobre, o local de peregrinação mais sagrado de Cuba, a meia hora de Santiago.

Guantanamo tem mais para contar

06-09-2019 (09h00)

Um centro histórico com edifícios colonais preservados e um cenário de montanhas cobertas de vegetação a espreitar para o mar são alguns dos argumentos de Guantanamo, que tem mais para contar do que apenas a história de uma prisão norte-americana.

Baracoa, “verde contangiante” sobre uma baía chamada Porto Santo

06-09-2019 (08h57)

"Em Baracoa, o verde é contagiante", disse-nos o guia antes de sairmos de Guantanamo, uma descrição que se torna evidente quando subimos em curva e contra-curva uma cordilheira repleta de vegetação. Um cenário que nos acompanhará até chegarmos ao mar, a uma baía chamada Porto Santo.

Ultimas Noticias

Noticias mais lidas