Gibara, a despertar para o turismo

06-09-2019 (08h55)

Uma pequena cidade instalada à beira-mar, Gibara parece ser Cuba autêntica, onde os habitantes circulam em bicicletas e carros antigos, por entre casas pintadas de cores quentes, edifícios com colunas nas fachadas e velhos palacetes que vão sendo convertidos em hotéis, pouco a pouco.

A rua mais movimentada da cidade respira serenidade, e os habitantes circulam devagar, param numa banca para comprar uma fatia pizza ou sentam-se à sombra para refrescar. A vida parece tranquila em Gibara.

Mas o ambiente deverá ser totalmente diferente em Abril, quando decorre o Festival Internacional de Cine Pobre, um festival anual de cinema que atrai a Gibara cineastas independentes de todo o mundo.

Como tantas outras cidades cubanas, Gibara prosperou com a indústria do açúcar no século XIX, e para proteger essa riqueza dos piratas foi construída uma muralha em redor da cidade, o que fez de Gibara a segunda cidade cubana amuralhada, depois de Havana.

Gibara começou a perder relevância económica com a construção da estrada Carretera Central nos anos 1920, altura em que foi desactivada a linha de comboio que servia de rota mercantil para a exportação de açúcar através do porto de Holguín.

Actualmente, a cidade desperta pelas mãos do cinema e do turismo, parece ser um destino pouco explorado, uma opção para passear sem mapa, desfrutando das ruas comerciais do centro e da tranquilidade à beira-mar.

Exemplos do desenvolvimento turístico da cidade são os hotéis Ordoño, uma das pérolas arquitectónicas da cidade, com 27 quartos, Arsenita, um hotel boutique de apenas 15 quartos, e Plaza Colon, que presta homenagem aos pescadores através da sua decoração.

Completamente diferente é o nosso próximo destino, a cidade de Camaguey, não por ser turística, mas por tudo o que implica ser a capital da maior província cubana e também a terceira maior cidade do arquipélago, depois de Havana e Santiago de Cuba.

Para continuar a ler clique:

Camaguey, artística e irreverente

Por Luís Canto

O PressTUR viajou a convite do Ministério de Turismo de Cuba

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Pelas estradas de Cuba, de Santiago a Havana

06-09-2019 (09h08)

Em mais de 1.600 quilómetros de estrada, de Santiago a Havana, pouco escapou aos profissionais de turismo portugueses e espanhóis que participaram nesta viagem a Cuba. Visitaram cidades que ainda estão a despertar para o turismo, conheceram novos hotéis e praias paradisíacas.

Santiago de Cuba, entre o mar das Caraíbas e a Sierra Maestra

06-09-2019 (09h06)

Uma cidade que respira música e animação, e ao mesmo tempo um local rico em história, assim é a segunda maior cidade do país, Santiago de Cuba, instalada entre o mar das Caraíbas e a Sierra Maestra.

El Cobre, o local de peregrinação mais sagrado em Cuba

06-09-2019 (09h02)

No meio da montanha, a espreitar entre a vegetação abudante, avistamos um edifício amarelo com cúpulas vermelhas. É a Basílica de El Cobre, o local de peregrinação mais sagrado de Cuba, a meia hora de Santiago.

Guantanamo tem mais para contar

06-09-2019 (09h00)

Um centro histórico com edifícios colonais preservados e um cenário de montanhas cobertas de vegetação a espreitar para o mar são alguns dos argumentos de Guantanamo, que tem mais para contar do que apenas a história de uma prisão norte-americana.

Baracoa, “verde contangiante” sobre uma baía chamada Porto Santo

06-09-2019 (08h57)

"Em Baracoa, o verde é contagiante", disse-nos o guia antes de sairmos de Guantanamo, uma descrição que se torna evidente quando subimos em curva e contra-curva uma cordilheira repleta de vegetação. Um cenário que nos acompanhará até chegarmos ao mar, a uma baía chamada Porto Santo.

Ultimas Noticias

Noticias mais lidas