App Nazarépic vai dar a conhecer a Nazaré

09-07-2018 (13h29)

Foto: www.cm-nazare.pt
Foto: www.cm-nazare.pt

Os visitantes do Forte de S. Miguel, na Nazaré, vão passar a dispor, a partir do dia 12 de Julho, de uma aplicação móvel que através de realidade aumentada mostrará a mediática onda, o canhão ou os navios afundados na região.

Denominada 'Nazarépic', a aplicação móvel vai ser lançada na próxima quinta-feira, no Forte de S. Miguel, onde poderá ser descarregada pelos visitantes e proporcionar "uma experiência virtual única", divulgou hoje a Altice Portugal.

Partindo da projeção internacional nunca antes alcançada pela Nazaré, a app 'Nazarépic' "permitirá conjugar surf, história, paisagem, lendas, usos e costumes, dando a conhecer a cultura e a identidade do município".

Na prática, os visitantes que descarregarem a aplicação nos telemóveis, ao longo da visita ao Forte, "poderão ver através de uma solução de realidade aumentada elementos icónicos da história da Nazaré", explicou à Lusa fonte da empresa.

Num dos terraços do Forte "surgirão imagens de um navio de combate alemão afundado naquela zona a 20 de maio de 1949", enquanto noutro ponto do percurso será possível visualizar imagens e informações sobre "o canhão [um desfiladeiro submarino com uma extensão de 221 quilómetros que atinge cerca de 5000 metros de profundidade e que está na origem das ondas gigantes], a onda ou os surfistas mais emblemáticos ligados às ondas gigantes".

A aplicação "estará disponível gratuitamente para equipamentos de qualquer rede", tendo apenas o custo relativo aos dados utilizados, "para que possa ser acessível a todos os que visitam o Forte e pretendem ter acesso a conteúdos mais didáticos e pedagógicos sobre a história, cultura e património da Nazaré", referiu ainda a fonte.

O desenvolvimento da aplicação, em parceria com a agência Laranja Mecânica, demonstra, segundo Alexandre Fonseca, presidente executivo da Altice Portugal, citado numa nota de imprensa, a aposta da empresa em "inovação", sem descurar "a proximidade, nem as características naturais do nosso território".

Para o presidente do Turismo Centro Portugal, Pedro Machado, esta solução tecnológica "é um fator acelerador e potenciador do turismo em toda a região da Nazaré, posicionando-se junto de portugueses e estrangeiros como um cartão-de-visita fundamental para gravar em pedra e tornar sempre viva a especificidade tão grande do ser português", pode ler-se na mesma nota de imprensa.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Cá Dentro
Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Catedral de Idanha-a-Velha recebe cimeira internacional sobre sustentabilidade

11-10-2018 (11h30)

A associação Aldeias Históricas de Portugal esta a promover a International Summit: Cultural Sustainable Destinations without Borders, que vai decorrer nos dias 15, 16 e 17 de Novembro na Catedral de Idanha-a-Velha.

Casa do Século XV em Monção transformada em enoturismo dedicado ao Alvarinho

10-10-2018 (18h16)

Uma casa do século XV em Monção reabre séculos depois, no Verão de 2019, como unidade de enoturismo e centro de experimentação do vinho Alvarinho, num investimento próximo de três milhões de euros, disse hoje à Lusa o promotor.

Turismo do Centro elogia reconhecimento europeu para Coimbra Região da Gastronomia 2021

09-10-2018 (00h28)

O presidente do Turismo Centro de Portugal (TCP), Pedro Machado, disse hoje que a atribuição do título de Região Europeia da Gastronomia 2021 a Coimbra é o reconhecimento europeu de uma região que tem produtos de elevada qualidade.

Solférias acrescenta circuitos aos seus programas de réveillon na Madeira

08-10-2018 (12h34)

O operador turístico Solférias anunciou hoje ao mercado a disponibilização de “circuitos de reveillon” a complementar os seus pacotes para o fim do ano na Madeira com voos TAP de Lisboa e do Porto.

Idanha-a-Velha 'celebra' descoberta arqueológica

03-10-2018 (14h20)

Idanha-a-Velha, que pertence à rede de Aldeias Históricas de Portugal, está a 'celebrar' a descoberta daquela que pode ser uma das portas principais da Egitânia, uma antiga cidade romana que chegou a ser habitada por suevos e visigodos.