Cairo: Viagem ao tempo dos faraós

07-06-2019 (16h42)

O Cairo, uma cidade à escala de um país, com mais ou menos o dobro da população de Portugal, é um ponto privilegiado para começar a conhecer a diversidade do Egipto, começando pela cultura faraónica, num circuito pelas Pirâmides de Gizé, a Esfinge e o Museu Egípcio.

As primeiras impressões da cidade começam num trajecto nocturno entre o aeroporto e o hotel Conrad Cairo, desde os subúrbios junto ao aeroporto, com casas que parecem ainda estar em construção, mas estão habitadas, até à parte mais moderna da cidade, com as luzes dos hotéis de luxo e dos navios a reflectirem-se no Nilo.

Com as Pirâmides de Gizé em agenda para o dia seguinte, acordar cedo não custa, mas é preciso dizer que se fosse necessário mais um incentivo, esse seria o pão egípcio ao pequeno-almoço. Felizmente, acompanhará não só a primeira como todas as outras refeições de todos os dias da viagem.

De volta à estrada, onde as buzinas não param e duas faixas de rodagem chegam bem para três filas de carros, começamos a ver as pirâmides do lado esquerdo, envoltas em neblina, provavelmente causada pela poluição, mas ainda assim com uma aura mágica.

A imponência da Pirâmide de Quéops causa o primeiro impacto, não só pelas dimensões, com uma largura de 200 metros e mais ou menos a altura da Torre Vasco da Gama em Lisboa (145 metros), mas também pelo peso, um peso que se sente, e que o guia que nos acompanha confirma dizendo que as pedras mais pesadas têm seis toneladas, enquanto as mais leves têm 500 kg.

Esta é a maior e a mais antiga pirâmide do Egipto, além de ser a única sobrevivente das sete maravilhas do mundo antigo. A seu lado estão as Pirâmides de Quéfren e de Miquerinos, a Esfinge e outros túmulos, templos e pirâmides mais pequenas.

O guia, um egípcio chamado Basem Talaat, que nos surpreende a falar português e que nos pede para o tratarmos por Benjamin, conta-nos algumas curiosidades. Diz-nos que estes túmulos gigantes foram construídos para os faraós por trabalhadores egípcios durante as épocas das cheias, períodos do ano em que o Nilo alagava os campos de agricultura e não era possível continuar a trabalhar.

Por outro lado, os egípcios estavam a trabalhar para um faraó, alguém que consideravam ser a ligação entre o mundo terrestre e o mundo divino, e, ao fazê-lo, estariam a cair nas boas graças dos deuses.

Outras teorias apontam o trabalho escravo como a única possibilidade de construir tamanha obra, mas também há defensores de que foram construídas por alienígenas, de tão complexa que é a construção e de tão difícil que terá sido o transporte das pedras.

Independentemente das teorias, há uma explicação prática que indica que as inundações provocadas pelo Nilo chegavam ao planalto de Gizé, onde estão as pirâmides, o que facilitou o transporte das pedras para a sua construção.

As pedras foram cortadas e empilhadas, mas para que ficassem coladas, foram molhadas com água, o que, segundo Benjamin, com o calor, poeira e a humidade acabou por resultar num efeito semelhante ao que acontece quando, ao lavar a loiça, metemos um copo molhado dentro de outro.

Fazem parte da experiência de visitar as pirâmides o expectável movimento de turistas e de vendedores de várias coisas, de miniaturas de pirâmides e esfinges, ou mesmo de passeios de camelo.

Mas é preciso destacar a grande quantidade de pessoas que vemos de costas para as pirâmides, de braços abertos para o alto e mãos voltadas para baixo, a segurar qualquer coisa no ar enquanto sorriem, estando presumivelmente a posar para uma fotografia em que, tendo êxito, parecerá que estão a segurar as pirâmides pelo topo.

Figuras semelhantes acontecem junto à Esfinge, a famosa estátua com corpo de leão e cabeça humana, onde vemos pessoas inclinarem-se para a frente a esticar os lábios para aquilo que, em casos de sucesso, será uma foto a beijar a estátua.

A Esfinge, que recebeu este nome dos antigos gregos devido às semelhanças com uma das suas criaturas mitológicas, representa Quéfren, filho de Queóps e pai de Miquerinos, os três faraós que ordenaram a construção das três Pirâmides de Gizé.

Sobre o nariz partido da Esfinge, há teorias que acusam Napoleão, outras que acusam militares britânicos em treinos de tiro ao alvo. O que não há é consenso...

Para continuar a ler clique:

Do legado de Tutancamon à quietude de um passeio pelo Nilo

 

por Luís Canto

O PressTUR viajou a convite dos operadores Solférias e Soltrópico

 

Para ver mais clique:

 

Egipto, um destino para muitos sonhos

 

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Soltrópico lança programas com voos charter para Monastir no Verão

13-12-2019 (14h41)

O operador turístico Soltrópico lançou para o mercado programas com voos charter de Lisboa e do Porto para Monastir, na Tunísia, de 9 de Junho a 16 de Setembro.

Viajar Tours anuncia voos charter Porto – Monastir para o Verão

10-12-2019 (16h23)

O operador turístico Viajar Tours divulgou para o mercado programas para férias de Verão na Tunísia com voos charter Porto – Monastir, às segundas-feiras de 8 de Junho a 7 de Setembro.

Solférias anuncia Verão em Agadir com voos TAP do Porto

09-12-2019 (17h50)

O operador turístico Solférias anunciou ao mercado programas para férias de Verão em Agadir, uma estância balnear em Marrocos, com voos directos do Porto, operados pela TAP aos Domingos de 26 de Julho a 6 de Setembro.

Soltrópico põe à venda Verão em Djerba com voos de Lisboa e Porto

06-12-2019 (12h31)

O operador turístico Soltrópico lançou para o mercado a sua programação de Verão para Djerba com voos charter Nouvelair de Lisboa e Porto às segundas-feiras de 8 de Junho a 14 de Setembro.

Sonhando comercializa Réveillon em Marraquexe a partir de 524 euros

06-12-2019 (11h37)

O operador turístico Sonhando tem um pacote de três noites em Marraquexe, durante a passagem de ano, com saída de Lisboa a 29 de Dezembro em voos TAP.

Ultimas Noticias

Noticias mais lidas