Arquipélago dos Bijagós: Pérolas de preservação cultural e natural na África Ocidental

10-03-2017 (15h37)

O Arquipélago dos Bijagós, principal cartaz turístico da Guiné-Bissau, deslumbra pela grande diversidade de flora e fauna, com destaque para espécies que evoluíram através da adaptação a meios salinos, e oferece a oportunidade de conhecer mais sobre a cultura do povo Bijagó e a sua ligação à Natureza.

O Arquipélago, declarado Reserva da Biosfera pela UNESCO em 16 de Abril de 1996, é constituído por 88 ilhas e ilhéus, 21 das quais habitadas por cerca de 35.000 pessoas.

A sua formação resulta da inundação do delta do Rio Geba que criou essas ilhas, bancos de areia, e mangais, labirintos de água ladeados por vegetação no interior das ilhas, enquanto em terra, a paisagem é de savana, bosques de palmeiras e florestas meio-secas, com variedade e abundância de flora.

A fauna é outro dos grandes destaques do Arquipélago dos Bijagós, que tem na ilha de Orango uma das espécies de animais mais curiosas que passou pelo processo de adaptação ao meio salino para garantir a sua sobrevivência, os hipopótamos de água salgada, enquanto na ilha de Poilão conta com um dos principais pontos de desova da tartaruga-verde de toda a África Ocidental.

Nas ilhas de Orango e Poilão encontram-se, respectivamente, o Parque Nacional de Orango e o Parque Nacional João Vieira Poilão, sendo que o arquipélago conta ainda com a Área Marinha Protegida Comunitária das Ilhas Formosa, Nago e Tchedia.

Esta região também conta com uma das maiores populações de manatins na África Ocidental, diferentes espécies de crocodilos, golfinhos, e uma grande variedade de espécies de aves, entre os quais, flamingos e pelicanos, sendo que centenas de milhares de aves migratórias passam pela região.

As ilhas são habitadas principalmente pelo povo Bijagó (cerca de 90%), que vive em comunidades caracterizadas pela sua dinâmica matriarcal, em pequenas vilas, cuja subsistência é assegurada através da agricultura, pesca e apanha de moluscos, entre outras actividades.

Os Bijagós dedicam cerca de cem dias do ano a rituais e cerimónias tradicionais e religiosas, que em grande parte estão relacionadas com a vida selvagem.

A diversidade étnica nas ilhas, segundo o Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas, inclui ainda a presença de Balantas, Papeis, Manjacos e Mandingas, bem como Nhomincas, provenientes do Senegal, e comunidades de naturais da Serra Leoa, Guiné-Conacri e Gana.

A ligação entre Bissau e o Arquipélago dos Bijagós pode ser feita de barco, a partir dos portos de Bubaque e Bolama, ou de avião, numa viagem de cerca de 15 minutos que liga a capital da Guiné-Bissau ao aeroporto de Bubaque.

 

O PressTUR viajou para a Guiné-Bissau a convite da euroAtlantic, no âmbito da primeira famtrip de operadores turísticos portugueses ao país

Ver também:

Turistas portugueses “vão sentir-se em casa” na Guiné Bissau, ministro do Turismo e do Artesanato

Bissau, a porta de entrada para a Guiné, a apenas quatro horas de de Lisboa

Primeiro-ministro da Guiné-Bissau apoia isenção de visto para turistas portugueses

“Ensinem o meu povo que ele precisa, sabendo que isso vos pode ajudar a ganhar dinheiro”, presidente da República da Guiné-Bissau

Ministro do Turismo e do Artesanato divulga condições para o investimento na Guiné-Bissau

Parque Nacional de Orango

Alojamento em Bissau (1)

Alojamento em Bissau (2)

Alojamento na Ilha de Bubaque

Alojamento na Ilha de Rubane


Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Fez: destino e ponto de partida

16-08-2018 (17h05)

A cidade marroquina de Fez é por si só um destino a conhecer, mas uma viagem a esta cidade imperial também pode ser um ponto de partida para conhecer melhor a história, a vida e a cultura de Marrocos.

Fez: a mais antiga Cidade Imperial de Marrocos

16-08-2018 (16h53)

A cidade de Fez, a mais antiga das quatro cidades imperiais de Marrocos, além de ter uma medina com 12 séculos de história e ser considerada Património Mundial pela UNESCO, é também um bom ponto de partida para conhecer o país.

Fez: um destino a não perder

16-08-2018 (16h37)

A cidade de Fez, uma das quatro cidades imperiais de Marrocos, é rica em história, património, cultura, gastronomia e paisagens a partir de pontos de vista impressionantes. Veja aqui algumas sugestões.

Atlas Palais Médina & Spa Fès: um 5-estrelas aos portões da medina de Fez

16-08-2018 (16h24)

O 5-estrelas Atlas Palais Médina & Spa Fès, de 146 quartos, é ideal para os visitantes da cidade imperial marroquina de Fez que queiram ficar perto da medina, mas que desejem também instalações de um hotel moderno de cidade.

Alojamento em Fez: Dentro e fora da medina

16-08-2018 (16h05)

Os 5-estrelas Fes Marriott Hotel Jnan Palace e Riad Fès Relais & Chateâux são opções de alojamento em Fez na zona moderna da cidade, construída durante o período do protectorado francês, no primeiro cado, e para um autêntico riade de luxo no interior da medina, no segundo.